O século 21 chega à saúde

Feira de Santana

Eliane Kihara *

Poucos setores da economia mundial estão sendo tão transformados pelo avanço da tecnologia como o de saúde. E não estamos falando apenas de equipamentos de ponta para diagnóstico de doenças, novos exames preventivos ou robôs capazes de conduzir uma cirurgia. A tecnologia está mudando, de forma radical, a relação entre profissionais e pacientes e tornando estes últimos cada vez mais capazes de monitorar as próprias condições de saúde e bem-estar. Nos próximos cinco anos, milhões de pessoas, em países como os Estados Unidos, terão acesso a consultas realizadas com a ajuda da internet e farão uso de aplicativos para celular que monitorarão suas respectivas condições físicas. É o que mostra o estudo Top Health Industry Issues, realizado pela PwC.

Trata-se de uma revolução em marcha. No Brasil, já são oferecidos aplicativos que permitem agendar consultas médicas e manter a caderneta de vacinação atualizada. No mercado americano, estão disponíveis inovações como marcapassos e monitores de frequência cardíaca conectados à internet. Por trás desse movimento está a necessidade de soluções que facilitem a vida do cidadão, além da busca, cada vez mais urgente, por formas de reduzir os custos de saúde sem prejudicar a eficácia dos tratamentos. Nos Estados Unidos, os custos da saúde crescem a uma média de 11% ao ano, muito acima da inflação oficial. No Brasil, esse aumento é de 17% ao ano.

Foto: Divulgação

No cenário da qualidade do tratamento e da relação profissional-paciente, o avanço tecnológico promete tratamentos mais rápidos e eficazes, além de proporcionar o surgimento de um ecossistema mais conectado e transparente. A telemedicina antecipou essa tendência há cerca de 15 anos, quando foram dados os primeiros passos na discussão de casos clínicos via teleconferência, na digitalização de exames – agilizando as consultas a resultados – e na realização de cirurgias com o auxílio de robôs.

No Brasil, avanços na legislação e redução da burocracia para aprovação de novos procedimentos são necessários para que a medicina se beneficie em maior escala das vantagens proporcionadas pela tecnologia. As regras brasileiras proíbem, apenas para ficar em um exemplo, a realização de consultas on-line. O ideal é que membros de agências reguladoras, médicos, especialistas em tecnologia, executivos de hospitais e operadoras de planos de saúde, entre outros representantes do setor, engajem-se na discussão das inovações e de suas consequências – evidentemente de forma transparente e responsável.

A tecnologia é capaz de conferir grande transparência ao sistema de saúde, expondo dados e sugerindo pontos de melhoria contínua. Nos Estados Unidos e na África do Sul, novos indicadores de qualidade foram adotados graças ao maior acesso aos dados e ao aumento da capacidade de análise de grandes volumes de informação. São analisados desde o tempo de espera no pronto-atendimento dos hospitais até o grau de eficiência das equipes em cirurgias cardíacas e outros procedimentos complexos. Os custos envolvidos em cada procedimento também ficam disponíveis.

Com isso, alguns centros de saúde se tornaram referência devido ao alto índice de recuperação dos pacientes, ao nível de sucesso de certos procedimentos cirúrgicos e à maior eficácia na utilização de recursos. Rankings desse tipo são públicos e se tornam um instrumento para que pacientes em diferentes situações busquem e escolham os serviços que melhor atendam às suas necessidades.

No Brasil, sistemas semelhantes poderiam ser adotados tanto na área pública quanto nas redes privadas. Com isso, indicadores preciosos, como custos nas unidades de saúde, tempo médio de internação e progressão de quadros clínicos, viriam à tona, beneficiando todo o sistema – do paciente aos planos de saúde, dos profissionais da área aos governos. Pontos de maior ou menor eficiência de centros médicos, públicos e privados, nas diferentes cidades, Estados e regiões do país serviriam de bússola para eventuais correções e para a adoção das melhores práticas. O uso correto dos avanços tecnológicos poderia levar a saúde a um novo patamar de eficiência – algo cada vez mais desejável e necessário no país.

* Sócia da PwC Brasil e especialista no setor de saúde.

Feira de Santana