Salvador, Feira de Santana e Juazeiro lideram número de casos de Aids em 2017 na Bahia

Feira de Santana

Célula infectada por partículas do vírus HIV, anexas à superfície. (Foto: National Institute of Allergy and Infectious Diseases (NIAID)

Os municípios de Salvador, Feira de Santana, a 100 quilômetros da capital, e Juazeiro, no norte da Bahia, são os que mais registraram novos casos de Aids em 2017, segundo dados divulgados pela Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab).

De janeiro a até o dia 25 de setembro, quando foi realizado o último balanço pelo órgão, foram notificados 601 casos de Aids em adultos e oito em crianças em todo o estado. Além disso, foram registrados 1.207 casos de HIV em adultos e 11 em crianças.

Nesse período, 111 municípios baianos notificaram casos de Aids em adultos, sendo que 7 notificaram mais de 10 casos.

Em relação à notificação de casos de Aids em criança, cinco municípios notificaram casos. Salvador lidera a lista, com quatro notificações.

A Aids é uma doença causada pelo vírus HIV que afeta o sistema de defesa do corpo humano. O vírus do HIV ataca e mata os glóbulos brancos (células do sangue que combatem as doenças). Conforme eles contra-atacam, tentando combater o HIV, há um sobrecarregamento do sistema imunológico. As células de defesa acabam morrendo por inflamação crônica e o sistema fica vulnerável a qualquer outra doença que acomete a pessoa infectada.

Casos

No estado da Bahia, desde o primeiro caso notificado, em 1984, até novembro de 2016, foram registrados 27.523 casos de Aids. Desses, 17.357 (63%) sexo masculino do sexo masculino e 10.166 (37%) sexo feminino.

A taxa de detecção de Aids, conforme a Sesab, apresenta tendência de crescimento: em 2005, foi de 9,5 e em 2013 de 14,3 casos por 100 mil habitantes. Dados preliminares de 2015 apontam para 8,3 casos por 100 mil habitantes. Em 2016, até o dia 7 de novembro, foram notificados, no total, 710 casos.

Dos casos notificados, a principal via de transmissão é a sexual (83,1%). Considerando-se apenas os casos transmitidos por via sexual, a heterossexual representa 60,2%. Entre homens 44,6% dos casos foram transmitidos por via sexual, enquanto entre mulheres o índice foi de 86,7%.

O maior número de novos casos é entre jovens. De 2005 a novembro de 2016, foram registrados 1.684 casos de Aids somente em jovens com faixa etária de 15 a 24 anos: 55,1% em homens e 44,9% em mulheres.

De 2005 até 2016, foram registrados 6.160 óbitos por aids: 65,1% em homens e 34,9 % em mulheres. Já em 2016, foram contabilizados 429 óbitos por Aids.

Com relação aos casos de HIV, de 2014 a 2016, foram registrados 4.195 casos, sendo 65,5% do sexo masculino e 34,5% do sexo feminino. Nos últimos cinco anos, 1.712 casos foram notificados em gestantes no estado. Somente em 2016, foram 255 casos. O vírus pode ser transferido para o bebê através da placenta ou durante o parto e no período de amamentação.

Onde buscar tratamento

Em Salvador, o Centro Estadual Especializado em Diagnóstico, Assistência e Pesquisa (CEDAP), localizado no bairro do Garcia, presta assistência a pessoas vivendo com HIV/Aids, infecções sexualmente transmissíveis e realiza assistência multidisciplinar à população transgenero.

O atendimento é realizado a partir do encaminhamento dos pacientes por outras unidades de saúde ou também por demanda espontânea, após triagem.

No local, os pacientes são avaliados por equipe multidisciplinar composta por enfermeiros e assistentes sociais, que acolhem, escutam e orientam quanto à prevenção de doenças, realizam abordagem sindrômica quando indicado e encaminham para atendimento médico imediato quando necessário. Após esta avaliação os pacientes que têm o perfil para o acompanhamento em Centro de referência são encaminhados para os ambulatórios da unidade de acordo com a sua necessidade.

Também na capital, as pessoas podem fazer testes rápidos de HIV nas 120 unidades básicas de saúde (UBS). O procedimento é semelhante ao teste de glicemia, obtido através de uma gota de sangue após uma picada no dedo.

Do G1 Bahia