Apontado como autor da morte de corretora de imóveis é preso

Feira de Santana

Aidilson Viana de Sousa, apontado pela polícia como autor da morte da corretora de imóveis Janaína Silva de Oliveira, 42 anos, em Salvador, foi preso.

A vítima foi encontrada morta, no fim da tarde de sexta-feira (10), dentro do apartamento onde morava com Aidilson no bairro do Barbalho, na capital baiana. O corpo dela tinha ferimentos de facadas e familiares atestam que foi ele quem a matou.

Os parentes dizem ainda que Aidilson, com quem a corretora tinha um relacionamento há 5 anos, a agredia constantemente. “Ele era extremamente ciumento. Ela me falava disso. O ciúme dele era doentio. Ela não podia falar com ninguém, ela não podia olhar para o lado. Tinham agressões verbais, muitas, e agressões físicas. Inclusive, ela me mandava fotos com agressões físicas dele, e eu vi pessoalmente como ficava o rosto dela machucado”, contou Tukka Moura, prima de Janaína.

Uma foto divulgada pela família mostra a mulher com o olho roxo após ter sofrido uma suposta agressão anterior ao assassinato. Segundo os familiares da corretora, o homem chegou a ser preso há 2 anos por conta das agressões.

As marcas de agressões, segundo os parentes, estão espalhadas por todo o apartamento onde viviam. “Ele fez isso aqui. Essas marcas [na porta] são de faca, que ele tentou arrombar a porta para pegar ela aqui dentro”, aponta a prima da vítima.

Vizinhos contaram à polícia que quinta-feira (9) à noite, ouviram barulho de mais uma briga do casal. Na madrugada de sexta, a corretora foi ferida e morreu. A família conta que após ser golpeada, mesmo estando muito ferida, Janaína conseguiu se arrastar pelo apartamento e passar o pega-ladrão na porta de casa, deixando o agressor do lado de fora. Mas ela não resistiu aos ferimentos.

Janaína foi enterrada no final da manhã de domingo (12), no Cemitério Campo Santo, no bairro da Federação, centro da capital baiana. O corpo dela foi encontrado dentro do apartamento pela filha de 27 anos, que é fruto de outro relacionamento.

Ela e o marido moravam juntos no apartamento que fica no edifício Santa Tereza, na Rua Clínio de Jesus. Após o crime, o homem não foi mais localizado. Os documentos e o celular dele foram encontrados no imóvel. Familiares foram ouvidos no sábado (11), no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

“Ela ainda morava com ele. Eles tinham cinco anos de relacionamento, mas não eram casados no papel e não tinham filhos. Ela tinha uma filha de outra casamento, de 27 anos, que sentiu falta da mãe e foi ver o que estava acontecendo. Foi até a casa e acabou encontrando o corpo”, relatou Luana Da Matta, amiga da vítima.

As informações são do G1 Bahia