Solteiros têm 42% mais chance de desenvolver demência do que casados, conclui estudo

Feira de Santana

Pesquisa sugere que casamento pode ajudar a proteger contra demência (Foto: Getty Images)

O casamento pode ajudar a evitar a demência? Uma pesquisa recente sugere que solteiros têm 42% mais chances de desenvolver esse tipo de desordem ao longo da vida do que quem é casado. O estudo, liderado por pesquisadores da University College London (UCL), no Reino Unido, mostra que entre os viúvos, esse risco é 20% maior, enquanto os divorciados têm a mesma chance de apresentar demência que pessoas casadas. O resultado da pesquisa é baseado na análise e comparação de 15 estudos individuais realizados previamente, com um total de 812 mil participantes, sobre a relação entre estado civil e demência. A descoberta, publicada na revista científica Journal of Neurology, Neurosurgery, and Psychiatry, pode ser explicada de diversas formas. Segundo os pesquisadores, o casamento pode mudar a exposição das pessoas a fatores de risco e de proteção em relação à demência. Estudos mostram, por exemplo, que quem é casado costuma adotar estilos de vida mais saudáveis. “Os cônjuges podem ajudar a incentivar hábitos saudáveis, cuidar da saúde dos parceiros e dar um apoio social importante”, avalia Laura Phipps, do Alzheimer’s Research UK, instituto de pesquisa sobre a doença, considerada a forma mais comum de demência. Pesquisas anteriores já mostraram que, entre os fatores que contribuem para o aumento do risco de demência, estão: falta de atividade física, hipertensão, obesidade, isolamento social, baixo grau de educação, entre outros. Reserva cognitiva Segundo o novo estudo, há evidências de que pessoas casadas também são mais propensas a interagir socialmente. De acordo com a pesquisa, a interação social ajuda a construir uma reserva cognitiva e a reduzir o risco de desenvolver demência ao longo da vida. “O estudo sugere que a interação social pode ajudar a construir uma reserva cognitiva – uma resiliência mental que permite que as pessoas vivam por mais tempo com uma doença como o Alzheimer antes de apresentar os sintomas”, explica Phipps. Estresse do luto Os pesquisadores também indicam que o luto pode ter relação direta com o aumento do risco de demência – o estresse provocado pela perda tem um efeito prejudicial sobre os neurônios do hipocampo do cérebro (considerado a sede da memória em nosso cérebro), o que explicaria a incidência maior da doença entre os viúvos. Outra possível explicação é que o surgimento da demência esteja relacionado a aspectos cognitivos – que influenciam o comportamento de cada indivíduo – e traços da personalidade. Segundo o estudo, pessoas com dificuldade de flexibilidade de pensamento ou comunicação – e consequentemente menor reserva cognitiva – podem ser menos propensas a se casar, em sociedades na qual o casamento é considerado norma social. Logo, haveria apenas uma correlação entre os fatores: pessoas que desenvolvem demência também costumam ser solteiras, e as duas condições seriam resultantes de um terceiro fator. Novas gerações Neste sentido, a pesquisa sugere que o risco de pessoas solteiras desenvolverem demência vem possivelmente diminuindo nas novas gerações. “Ficar solteiro tornou-se mais comum. Pode ser que pessoas solteiras nascidas na segunda metade do século 20 tenham menos características cognitivas e de personalidade incomuns”, diz trecho do estudo. Já entre os viúvos a incidência se mantém estável ao longo do tempo. Com prevenir? A pesquisa mostra ainda que o risco de desenvolver demência na viuvez é atenuado a depender do nível educacional da pessoa. Já entre os solteiros, um dos componentes que afeta o aumento do risco seria o agravamento de problemas da saúde física. “Pessoas solteiras ou viúvas podem ter menos oportunidades de engajamento social à medida que envelhecem, mas nem sempre é o caso. Essa pesquisa aponta para diferenças nos níveis de atividade física e educação subjacentes a grande parte das diferenças no risco de demência entre solteiros, casados e viúvos”, pondera Phipps. De acordo com o estudo, a prevenção da demência em pessoas que não são casadas deve “se concentrar na educação e na saúde física, considerando o possível efeito da interação social como um fator de risco modificável”. Mas, segundo Phipps, a dica vale para todos. “Permanecer fisicamente, mentalmente e socialmente ativo são aspectos importantes de um estilo de vida saudável e são coisas que todo mundo, independentemente do estado civil, pode trabalhar.” Fonte: BBC Brasil