Veja como substituir o tradicional bacalhau da Semana Santa

Semana Santa tem que ter bacalhau, como manda a tradição. Ou não. Apesar dos inúmeros benefícios para a saúde (como vitaminas A e ômega 3), nem todo mundo tem o privilégio de colocar o peixe salgado — literalmente — na mesa. Substituí-lo, então, pode ser a solução para não contrariar os costumes da época.

“No lugar do bacalhau você pode usar um filé de peixe grosso sem espinha. Algumas opções são o linguado, a tilápia e uma merluza. É só temperar o peixe com sal e colocá-lo no forno para secar a água. Isso vai deixá-lo mais parecido com o bacalhau”, indica Cris Goulart, chef de cozinha do bufê Altas Ideias, na cidade do Rio de Janeiro.

Outra forma de comer peixe sem gastar muito é colocá-lo como um dos ingredientes de uma comida que leve outros produtos. “Algumas preparações tendem a fazer render aquele pouco de peixe que você pode comprar. Em vez de fazer assado, é melhor aproveitar o alimento em uma torta ou num ensopado”, sugere Adriana Leal, nutricionista e coordenadora do curso de gastronomia da Unisuam, no estado do Rio de Janeiro.

Atenção também às guarnições

A nutricionista lembra ainda que evitar a fritura é essencial. A dica é passar longe dos bolinhos de bacalhau. “Quando você frita o peixe, ele perde todas suas qualidades. É mais adequado consumi-lo assado ou ensopado. Outra vantagem de substituir o bacalhau é pelo fato de ele ser um peixe muito salgado. Apesar dos processos de dessalga, é comum ainda sentir o gosto forte do condimento. Ele tem um teor de sal muito elevado. Pessoas que têm hipertensão, por exemplo, precisam tomar mais cuidado”, alerta Adriana Leal.

Um almoço saudável não se faz apenas com o prato principal: é preciso ter atenção aos acompanhamentos. Se o peixe for servido com batatas, é melhor repensar o consumo do arroz. “Um erro comum dos pacientes é exagerar na batata e consumir o arroz. Isso significa dobrar o consumo carboidrato e a quantidade de calorias da refeição”, afirma Marcela Voris, médica nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

Para quem não abre mão do arroz, a batata pode ser substituída por legumes crus. A salada com variados tons de verde entra também como opção para balancear o prato comemorativo. “As folhas e os legumes aumentam a quantidade de fibras da refeição, o que vai ajudar na digestão”, explica Adriana Leal.

Como escolher peixe fresco

Os olhos do peixe têm que ter aspecto brilhante, pupilas pretas e córneas transparentes
As escamas devem ser brilhantes e estar presas ao corpo
A coloração das guelras deve ser rosada ou vermelha brilhante
Ao apertar o peixe, a carne deve voltar ao lugar logo: se ficar fundo é sinal que o processo de decomposição já está avançado.

Da agência O Globo.

Unit´