in ,

EXCLUSIVO-Vale sabia que barragem em Brumadinho tinha risco elevado de colapso

Trabalhos de resgate após rompimento de barragem da Vale em Brumadinho.

A Vale, maior produtora global de minério de ferro, estava ciente no ano passado de que a barragem de rejeitos que entrou em colapso no mês passado, matando pelo menos 165 pessoas, tinha um risco elevado de ruptura, segundo um documento interno visto pela Reuters nesta segunda-feira.

Trabalhos de resgate após rompimento de barragem da Vale em Brumadinho.

O relatório, datado de 3 de outubro de 2018, mostra que, segundo a própria Vale, a barragem da mina de minério de ferro Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), tinha duas vezes mais chance de se romper do que o nível máximo tolerado pela política de segurança da empresa.

A Vale não respondeu imediatamente a um pedido de comentário. A empresa citou anteriormente um relatório de uma auditoria independente do ano passado declarando a barragem segura e afirmou ainda que os equipamentos mostraram que a estrutura estava estável semanas antes do colapso.

O documento é a primeira evidência de que a própria Vale estava preocupada com a segurança da barragem.

Isso levanta a questão de por que uma auditoria, realizada na mesma época, garantiu a estabilidade da barragem e por que a mineradora não tomou precauções, como mover um refeitório localizado logo abaixo da estrutura que se rompeu.

O colapso da barragem ocorreu em 25 de janeiro e foi a mais mortal tragédia de mineração do Brasil e o segundo desastre envolvendo uma barragem de rejeitos de minério de ferro em pouco mais de três anos no país.

Intitulado “Geotechnical Risk Management Results”, o relatório interno da companhia de outubro de 2018 colocou a barragem da mina Córrego do Feijão dentro de uma “zona de atenção”, dizendo que “deve ser assegurado que todos os controles de prevenção e mitigação estejam sendo aplicados”.

A barragem foi marcada para descomissionamento. Um fracasso poderia custar à empresa 1,5 bilhão de dólares e teria o potencial de matar mais de cem pessoas, segundo o relatório.

Outras nove barragens, das 57 que foram estudadas, foram colocadas na zona de atenção, de acordo com o relatório.

Um outro relatório da Vale datado de 15 de novembro de 2017, também visto pela Reuters, afirma que qualquer estrutura com uma chance de falha acima de 1 em 10.000/ano deve ser levada à atenção do presidente-executivo e do Conselho de Administração.

A barragem de Córrego de Feijão tinha uma chance de colapso duas vezes maior que o “nível máximo de risco individual” tolerável, ou 1 em 5.000/ano, segundo o relatório.

“Isso não é bom na minha opinião, especialmente se você considerar que essas estruturas são de longo prazo”, disse David Chambers, geofísico do Centro de Ciência em Participação Pública, em Montana, e especialista em barragens de rejeitos.

A Reuters não pode verificar se o conselho ou presidente-executivo Fabio Schwartzman estavam cientes do risco.

O relatório identifica a liquefação estática e a erosão interna como as causas mais prováveis de uma falha potencial.

Fonte: Reuters

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Loading…

0

Comentários

0 Comentários

Powered by Facebook Comments

Polícia já identificou homem que tentou contra a vida de policial civil

Helicóptero que levava Boechat não tinha autorização para transporte de passageiros