Ex-advogado da Odebrecht que escapou da Lava Jato admite crimes na Espanha

Foto: Reprodução

Um advogado acusado de movimentar dinheiro sujo para a Odebrecht em quatro cantos do mundo reconheceu a autoridades espanholas o que se recusou a admitir para investigadores brasileiros nos últimos três anos, conforme um documento divulgado nesta semana pela força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

Em depoimento à Procuradoria Anticorrupção da Espanha em fevereiro de 2017, o advogado Rodrigo Tacla Durán afirmou ter emprestado contas bancárias de suas empresas na Espanha e em Cingapura para movimentar recursos que a Odebrecht mantinha em paraísos fiscais do Caribe, em transações das quais também teriam participado operadores na China e em Hong Kong.

É a primeira vez que vem a público uma evidência de que o advogado reconhece ter participado do esquema de lavagem de dinheiro internacional organizado pela Odebrecht para distribuir propinas e contribuições políticas.

Em entrevistas a jornalistas brasileiros e estrangeiros, e em depoimento prestado a uma Comissão Parlamentar de Inquérito da Câmara dos Deputados no ano passado, Tacla Durán sempre insistiu na versão de que trabalhara como consultor da Odebrecht, sem participar de atos ilícitos.

Nascido no Brasil, com dupla cidadania por ser filho de espanhol, Tacla Durán vive na Espanha, que há dois anos rejeitou pedido de extradição apresentado pelo Brasil. Ele é tratado como foragido pela Lava Jato, mas teve o nome removido pela Interpol da sua lista de procurados em agosto.

O advogado é alvo de três processos criminais no Brasil. O andamento das ações é lento por causa das dificuldades para citá-lo na Espanha. A força-tarefa de Curitiba o acusa de movimentar mais de R$ 95 milhões para a Odebrecht e outras empresas. Ele chegou a ser preso na Espanha em 2016, mas logo foi solto sem sofrer acusações.

O depoimento de Tacla Durán às autoridades espanholas foi anexado pelos procuradores do Paraná à petição que na terça (19) levou à prisão do ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto e apontado como responsável por repasses de propina a políticos do PSDB.

Ouvido na condição de testemunha pelos espanhóis, Tacla Durán reconheceu ter emitido notas fiscais fictícias para justificar a entrada de recursos da Odebrecht nas contas de suas empresas, e identificou advogados e outros operadores que ajudaram a viabilizar as transações na Espanha.

O advogado afirmou que, em troca dos recursos movimentados por suas contas, recebeu de operadores chineses dinheiro em espécie para a execução de pagamentos que a Odebrecht precisava fazer no Brasil e no exterior.

Tacla Durán disse que, de um total de US$ 17 milhões bloqueados por Cingapura na conta que uma de suas empresas mantém no país, US$ 2,5 milhões se referem a comissões que teria recebido pela participação em operações clandestinas da Odebrecht.

Ele relatou também um encontro que teria mantido com operadores e executivos da Odebrecht em Madri, em setembro de 2015, poucos meses depois da prisão de Marcelo Odebrecht e outros diretores da empresa no Brasil.

Segundo Tacla Durán, dois integrantes da cúpula da Odebrecht na época, o então presidente do grupo, Newton de Souza, e o vice-presidente jurídico, Maurício Ferro, sabiam das operações ilícitas e autorizaram pagamentos mensais de US$ 350 mil aos responsáveis pela movimentação de recursos num banco adquirido pela Odebrecht em Antigua.

O advogado afirmou ter recebido essa informação de Fernando Migliaccio da Silva, um dos executivos do antigo Setor de Operações Estruturadas, o departamento criado pela Odebrecht para cuidar dos pagamentos de propina.

Migliaccio e outros operadores citados por Tacla Durán como participantes da reunião em Madri estão entre os que assinaram acordos de delação premiada para cooperar com a Lava Jato em 2016. Em seus depoimentos, eles não fizeram menção ao encontro descrito pelo advogado.

Procurados para comentar as declarações de Tacla Durán, Newton de Souza e Maurício Ferro não se manifestaram. Os dois se afastaram da Odebrecht no ano passado, após serem acusados por Marcelo Odebrecht de ter conhecimento de acertos com políticos e se tornarem réus num dos processos da Lava Jato.

Tacla Durán chegou a negociar um acordo com a Lava Jato na mesma época que os executivos da Odebrecht, mas as conversas não foram longe. Ele diz ter sido pressionado a admitir crimes que não cometeu. Os procuradores afirmam que ele é um mentiroso.

Desde então, o advogado tem fustigado a Odebrecht e a Lava Jato, acusando delatores de fraude e omissão. Ele também apontou o advogado Carlos Zucolotto como intermediário de negociações paralelas entre ele e os procuradores. Amigo do ex-juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça, Zucolotto nega ter participado de negociações com a Lava Jato.

Unit´