in ,

Dia Mundial de Conscientização do Autismo é celebrado nesta terça

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Uma a cada 110 pessoas no mundo é diagnosticada com o Transtorno do Espectro Autista (TEA), segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), órgão ligado ao governo dos Estados Unidos. Com base neste levantamento, a estimativa é que o Brasil possua cerca de 2 milhões de autistas. Levando este número em conta e com o objetivo de chamar a atenção das pessoas para a conscientização sobre o autismo, a Organização das Nações Unidas (ONU) definiu, em 2008, o 2 de abril como Dia Mundial de Conscientização do Autismo (do inglês World Autism Awareness Day).

O transtorno envolve um grupo de doenças do neurodesenvolvimento, de início precoce (antes dos 2 ou 3 anos de idade), e que se caracteriza por dois aspectos principais: dificuldade de interação social e de comunicação. O diagnóstico começa pela observação do comportamento da criança.

O psiquiatra Mario Louzã explica que uma criança sadia começa a interagir com outras pessoas em torno dos 4 a 6 meses de idade. Já a autista se mostra indiferente à interação social e não expressa a reciprocidade no contato com outras pessoas. Sendo assim, a linguagem corporal e o contato visual com outras pessoas se mostram prejudicados.

O desinteresse em interagir com outras crianças vai se mostrando mais nítido com o passar do tempo. A criança se isola em poucas atividades e movimentos repetitivos.

Tratamento

Diferente do que se pensa, o autismo não é tratado com medicamentos. Eles só são utilizados quando há outros sintomas associados ao transtorno, como ansiedade, TDAH, depressão, transtorno obsessivo compulsivo, agitação, irritabilidade, distúrbios do sono, entre outros.

“Infelizmente, ainda há muito preconceito, principalmente por parte das crianças, que não têm o poder de compreensão de um adulto, e excluem o autista. Por incrível que pareça, há até mães e pais que evitam a amizade de seus filhos com as crianças portadoras do TEA, o que é uma triste ignorância”, afirma Louzã.

Para quem tem filho autista, a melhor dica é motivá-lo a desenvolver atividades comuns do dia a dia, como as tarefas domésticas. O especialista ressalta que, quando a criança perceber as próprias limitações, os pais devem explicar que as pessoas são diferentes, e que alguns conseguem fazer certas coisas, enquanto outras não.

Exposição em Salvador

Para marcar a data, será aberta nesta terça-feira, 2, a exposição ‘Autismo com Afeto’, que segue em cartaz 21 de abril, no Shopping da Bahia. Na mostra, a fotógrafa Anne Karine Neves revela que tudo é possível quando se enxerga as singularidades e potências de cada um com o olhar do afeto.

A exposição foi idealizada por Maira Cavalcante (do Projeto Mães Autismo Conhecer para Entender) e pela fotógrafa.

Projeto AUTS

O projeto transmídia AUTS – uma série com 26 episódios lúdico-educativos voltados para o desenvolvimento de crianças com necessidades especiais – também ganha lançamento nesta terça, na plataforma Play Kids, no site e aplicativo.

Criado pelo diretor de animação Renato Barreto, a série se inspira em sua história familiar e nas aventuras do filho, que nasceu dentro do espectro autista e desenvolveu a fala dublando o próprio personagem. Artur, hoje com 13 anos, foi diagnosticado por volta dos dois anos e meio de idade.

A série também dialoga com os princípios do Plano Nacional da Primeira Infância e funciona como uma ferramenta sensorial que pode ajudar professores de uma forma lúdica, trabalhando com diferentes estímulos a cada episódio, explorando cores, formas geométricas, instrumentos musicais, animais e significação de conceitos, propondo um aprendizado dinâmico e com exemplos práticos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Centrão quer retirar pontos polêmicos da Previdência já na CCJ

Atleta do Projeto Dente de Leite vence Open Bahia Karatê