in ,

Estudantes do DF criam ‘micro-ondas ao contrário’ capaz de gelar bebidas em até um minuto

Três adolescentes do Distrito Federal, alunas de uma escola pública da região do Gama, começaram a desenvolver um produto capaz de refrigerar uma bebida em até 1 minuto. A invenção foi chamada de “micro-ondas ao contrário”, ou ColdStorm.

Adrielle Dantas, Gabrielly Vilaça e Raffaella Gomes estudam no Centro de Ensino Médio Integrado à Educação Profissional (CEMI). Elas iniciaram o projeto em 2017.

No ano seguinte, participaram do Circuito de Ciências das Escolas Públicas do Distrito Federal e da exposição de ciências da escola. Elas acabaram classificadas para levar o “micro-ondas ao contrário” para a Exposição de Ciências, Engenharia, Tecnologia e Educação (EXPOCETI), em Pernambuco.

Durante a EXPOCETI, que aconteceu entre 24 e 30 de junho, o projeto desenvolvido pelas meninas brasilienses recebeu várias premiações. Elas ganharam o primeiro lugar na área de engenharia e receberam certificado de destaque da Faculdade Imaculada Conceição de Recife e da World International Fairs Association (WIFA).

Além disso, Adrielle, Gabrielly e Raffaella voltaram para casa com uma carta de credenciamento para participar da Muestra Cientifica Latino-americana (MCL), em Trujillo, no Peru. O encontro vai ocorrer entre os dias 9 e 15 de setembro.

Chances de mercado
Para participar da mostra no Peru, o trio precisa finalizar o ColdStorm. No entanto, uma das desenvolvedoras do projeto, Gabrielly Vilaça, disse que o grupo ainda não tem dinheiro para o protótipo e para arcar com os custos da viagem.

“Após a EXPOCETI, surgiram várias ideias para melhoria baseadas em sugestões de avaliadores”, diz a estudante. Para pôr em prática as recomendações, elas criaram uma vaquinha online.

“Estamos focadas em duas coisas: reconstrução e melhoria do protótipo e arrecadação de fundos para pagar a viagem ao Peru.”
Para a professora do CEMI, Maria Zilma Conceição de Araújo, que acompanha a criação do “micro-ondas ao contrário”, a invenção das estudantes tem futuro.

“Comercialmente falando, acredito que o ColdStorm tem potencial de mercado. Principalmente por conta da economia energética que é a proposta final do projeto.”
De acordo com Maria Zilma, as estudantes têm combinação perfeita de perfis. “As meninas são curiosas, estudiosas e estão cientes dos desafios que tem que enfrentar”, afirma.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Surto de sarampo no país atinge 3 estados; veja como se proteger

Sindicato dos servidores municipais acusa prefeito de Serra Preta de perseguição