in ,

Ailton Graça vira presidente da 1ª escola de samba de SP

O ator Ailton Graça, de 55 anos, assumiu nesta segunda-feira (2) a presidência da escola de samba mais antiga do carnaval de São Paulo, a Lavapés, fundada em 1937. Criado no samba, que ficou nacionalmente conhecido ao interpretar o traficante Majestade, no filme “Carandiru” e na série “Carcereiros”, ele recebeu o pavilhão da escola das mãos da atual presidente, Rose Marcondes, em um evento no Theatro Municipal de São Paulo, como parte da transição que começou, em 2019.

“Eu tinha um grupo de amigos e uma escola de samba chamada Pirata Negro, que na verdade é um instituto”, diz Ailton. “E, a gente estava correndo atrás de uma escola pra gente continuar trabalhando as narrativas pretas. E a nossa felicidade foi gigante quando nós encontramos a Lavapés. Então ficou, Lavapés Pirata Negro.”

A escola de samba Lavapés surgiu na década de 1930 no bairro Glicério. Foi fundada por Deolinda Madre, conhecida como madrinha Eunice, a partir de agora vai se chamar Lavapés Pirata Negro. A escola já foi sete vezes campeã do Grupo Especial nos anos 1950 e 1960. Porém, com o passar do tempo, a escola não acompanhou a evolução das concorrentes e acabou rebaixada. Atualmente, está no Grupo 4 da União das Escolas de Samba Paulistanas (Uesp), o que corresponde à última divisão do carnaval paulistano.

Ligado ao carnaval e às manifestações culturais populares desde muito pequeno, tendo a bisavó como influenciadora, Ailton Graça desfilou como mestre-sala, na década de 1990, na Gaviões da Fiel e X-9 Paulistana. Ele agora busca apoio financeiro para bancar a estrutura da Lavapés Pirata Negro.

A escola que estava sem local para realizar os ensaios, no processo de transição para as mãos do ator, conquistou um galpão, no bairro do Jabaquara, zona Sul da cidade, coincidentemente, região próxima ao local em que a família de Ailton Graça se instalou ao migrar da Bahia.

O ator, que foi arte-educador e que trabalhou com manifestações populares e culturais por mais de 20 anos, vê a escola de samba não só como um espaço de festejo, mas como um espaço de resistência, de congraçamento, de reunião. Ele cita o manifesto do compositor Candeia, na fundação da escola Quilombo, no Rio de Janeiro, como base e o fundamento para o projeto da Lavapés Pirata Negro. Para Aílton, escola de samba é lugar de fortalecimento de saberes e de valores. Ele também acredita que a escola de samba de além dar para a comunidade do entorno mais alternativas de lazer, de cursos, de saberes, de compartilhamentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Anvisa aprova registro de medicamentos à base de maconha

Ciretran de Vitória da Conquista amplia oferta de serviços no SAC