in ,

PF apreende 7 aviões em operação contra tráfico internacional de drogas

A Polícia Federal de São Paulo deflagrou hoje (4) uma operação de combate ao tráfico internacional de drogas. O grupo era comandado por um empresário, que promovia a compra e distribuição de cocaína boliviana. Ao todo, foram expedidos 46 mandados judiciais, sendo 13 de prisão temporária e 33 de busca e apreensão nos estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Bahia, Santa Catarina, Mato Grosso e Minas Gerais.

Dez pessoas já foram presas e sete aviões apreendidos – dois em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo. De acordo com a PF, desde maio do ano passado, foram apreendidas 2,6 toneladas de cocaína dentro desta mesma operação.

O principal alvo da operação, batizada de “Voo Baixo”, é um empresário do interior de São Paulo que comandava o envio de cocaína da Bolívia para o Brasil, de avião, e depois fazia a distribuição da droga por meio de fazendas no Mato Grosso do Sul e São Paulo. A droga chegava ao Porto de Santos, no litoral paulista, e era levada para a Europa.

O empresário investigado, Rubens de Almeida Salles Neto, foi preso nesta manhã em Paranaíba, no Mato Grosso do Sul. O G1 ligou para um celular que consta no cadastro da empresa à qual Neto é sócio e também envio e-mail questionando se a defesa dele quer se manifestar, mas até a última atualização desta reportagem, não recebeu retorno.

Na operação desta quarta, a Justiça Federal também determinou o sequestro de bens – como fazendas e aviões usados pelos traficantes. Durante a investigação, que começou em 2018, foram presas outras 11 pessoas que participavam da quadrilha. Seis grandes apreensões também foram feitas nesse período da investigação, e um avião foi interceptado pela Força Aérea na fronteira com a Bolívia em abril de 2018, contendo 480 quilos de cocaína. (G1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Petrobras aumenta preço do diesel nesta quarta

Bolsonaro rebate Trump e nega que Brasil desvalorize o real