in ,

DST’s é causadora de 25% dos casos de infertilidade

A infertilidade conjugal, que atinge cerca de 15% dos casais em idade reprodutiva (Foto: Reprodução)

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 25% dos casos de infertilidade são causados pelas Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST). As DST’s podem causar danos no aparelho reprodutor nos dois sexos, levando à infertilidade.

Nas mulheres, por exemplo, podem provocar obstrução das trompas, impedindo a gravidez pelo processo natural ou causando a gravidez ectópica (gravidez nas trompas). Nos homens, a gonorreia e a clamídia são capazes de causar obstrução dos canais por onde transitam os espermatozoides – os condutos deferentes.

“O uso do preservativo em todas as relações sexuais continua sendo uma das principais formas de prevenção contra as DST’s”, orienta a ginecologista Gérsia Viana, especialista em medicina reprodutiva e diretora da Insemina Centro de Reprodução Humana.

Um levantamento da OMS também estima que a cada dia são registrados mais de 1 milhão de casos de Doenças Sexualmente Transmissíveis no mundo. No Brasil, a incidência dessas doenças em jovens tem avançado consideravelmente nos últimos anos. “Os jovens estão deixando de usar camisinha e esse comportamento de risco é um dos grandes responsáveis pela alta incidência das DST’s”, explica a médica.

Além de estarem entre as principais causas da infertilidade, as DSTs podem desencadear outras complicações sérias como aborto, problemas neurológicos, doenças cardiovasculares, doenças neonatais e até mesmo o câncer do colo do útero devido à infecção persistente por alguns tipos de HPV, podendo levar à morte.

Quando não são tratadas, essas infecções decorrentes das DST’s podem causar danos irreversíveis ao aparelho reprodutor. A maioria das DST’s tem cura, mas um dos agravantes dessas doenças é que, muitas vezes, elas não se manifestam ou só apresentam sintomas quando já estão em estado mais avançado e podem causar danos maiores.

Além do uso do preservativo nas relações sexuais, a especialista lembra sobre a importância de se evitar comportamentos de risco. “Quanto mais parceiros, maior o risco de exposição aos agentes causadores das DST’s”, adverte a médica Gérsia Viana.

A camisinha é uma das principais formas de prevenção, mas não é a única. Adotar um comportamento sexualmente responsável minimiza os riscos de ser infectado por uma DST. Evitar ter relações com múltiplos parceiros, não ter contato sexual com pessoas desconhecidas e sob efeito de álcool e drogas, observar sinais de DST’s no parceiro (lesões, bolhas, mau cheiro, verrugas, secreções) e não ter relação sexual caso, qualquer um dos dois, esteja com alguma infecção nos órgãos genitais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Dólar opera em queda

OMS diz que epidemia está controlada fora da China