in

Euclides da Cunha – Centro de Quarentena prometido pelo prefeito ainda não saiu do papel

Foto: Reprodução

Mais de 4 meses após o anúncio, e cerca de R$ 1,3 milhão investidos com dinheiro do povo, o Centro de Quarentena de Euclides da Cunha não saiu do papel. Promessa não cumprida pelo prefeito Luciano Pinheiro (PDT).

Em 1º de maio de 2020, em matéria publicada no site oficial da Prefeitura de Euclides, Luciano anunciou que o antigo Hotel do Conselheiro, localizado no bairro Jeremias, seria “transformado em um Centro de Quarentena para receber pessoas do município que venham a adquirir a Covid-19 ou que cheguem de viagem à cidade apresentando os sintomas da doença”.

130 dias depois, o Centro não está funcionando, apesar de terem sido consumidos cerca de R$ 1,3 milhão, só com uma tímida reforma. Para adquirir o imóvel não teve gasto, porque o prédio foi cedido à Prefeitura pelo Governo do Estado, através da Secretaria Estadual da Administração.

Em maio passado, Luciano disse que “um projeto já está sendo elaborado por arquitetos e que, na próxima semana, as obras para as adequações já serão iniciadas. Os possíveis pacientes ficarão em apartamentos isolados e contarão com acompanhamento de equipe médica do município. Os recursos para custear a obra e a manutenção do espaço durante a pandemia virão, principalmente, de emendas destinadas por deputados”.

O questionamento ao prefeito Luciano, agora, feito pelo povo de Euclides da Cunha, é: onde foi parar o dinheiro para abertura do Centro de Quarentena?

Enquanto isso, até agora 6 pessoas já morreram de coronavírus em Euclides da Cunha. Sem um Centro Especializado para Tratamento de Covid no município, os pacientes testados positivos para o vírus têm que ficar em casa, entregues à própria sorte, em uma flagrante falta de compromisso do governo Luciano Pinheiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

Criança dorme em cima do celular e fica com as costas queimadas

Anvisa aprova retomada de testes no Brasil da vacina para Covid-19 de Oxford