in

MPF vai apurar denúncia de irregularidade na gestão de recursos destinados ao Covid-19 em Anguera

Foto: Reprodução

O Ministério Público Federal (MPF) vai investigar denúncia de irregularidades na destinação de recursos para o enfrentamento ao Covid-19 no município de Anguera. Um inquérito civil foi instaurado pelo procurador da República, Samir Cabus Nachef Júnior, no último dia 29 de janeiro.
De acordo com a portaria nº 5 do MPF, esse inquérito civil vai apurar as supostas irregularidades atribuídas ao ex-prefeito de Anguera, Fernando Bispo Ramos, que deixou a Prefeitura em 31 de dezembro.

De acordo com o procurador da República, Samir Cabus Nachef Júnior, pesam contra o ex-prefeito as denúncias de contratação de servidores sem realização de concurso público, ausência de transparência nos gastos com combustível, e má gestão de recursos recebidos para o combate à pandemia de Covid-19.

DENÚNCIA

O site Olá Bahia teve acesso com exclusividade à portaria que instaurou o inquérito civil. Conforme apurado, a denúncia de irregularidades na gestão de recursos para o enfrentamento ao Covid-19 foi feita por um vereador, no período eleitoral.

O município de Anguera tem hoje 214 casos confirmados de Covid-19, 12 casos ativos, 202 pessoas recuperadas e 482 notificações. Segundo a Prefeitura, 2.282 casos estão sendo monitorados por equipes de saúde.

O inquérito civil instaurado pelo MPF tem prazo de conclusão, inicialmente, de 1 ano. Esse procedimento está vinculado à 5ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal.

Atualmente, o município de Anguera é administrado pelo prefeito Mauro Vieira (PL), que venceu as eleições ano passado. Mauro Vieira obteve 4.521 votos (61,19%) contra 2.868 votos de Zé Augusto (Podemos).

O site Olá Bahia não conseguiu contato com o ex-prefeito de Anguera, Fernando Bispo, para que comentasse o assunto.

PF investiga uso de aeronaves da FAB para tráfico de drogas

Deputado Adolfo Menezes é eleito novo presidente da Alba