Acordo de cooperação técnica ampliará cirurgias de reconstrução de mama no Hospital da Mulher em Salvador

Pesquisa diz que cânceres que reaparecem têm maior probabilidade de conter certos genes ou combinação de genes. Foto: Reprodução BBC Brasil

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Um acordo de cooperação técnica entre o Hospital da Mulher e o núcleo de mastologia do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo, capitaneado pelo cirurgião plástico Marcelo Sampaio, foi inaugurado ontem (3) na capital baiana com a realização de duas cirurgias reparadoras de mama.

Os principais objetivos do Hospital da Mulher, unidade da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), ao iniciar esse acordo são: ampliar o número de cirurgias de reconstrução de mama, produzir conhecimento científico e replicar o modelo de excelência assistencial do Hospital Sïrio-Libanês.

“O Hospital da Mulher realiza cerca de 600 cirurgias de reconstrução mamária por ano, o que é um número expressivo e ainda é possível ampliar. A unidade tem utilizado os materiais mais modernos no mundo na reconstrução de mama e a Bahia está de parabéns pelo protagonismo nacional”, afirma o cirurgião Marcelo Sampaio durante um encontro com o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, nesta terça-feira (4).

Mesmo diante da suspensão de cirurgias eletivas em virtude da pandemia da Covid-19, os pacientes com diagnóstico de câncer e doenças coronarianas continuam tendo atendimento na rede estadual. Ontem, duas mulheres, uma com 39 anos e outra com 42, foram submetidas, com sucesso, a mastectomia, a reconstrução da mama, da aréola, do mamilo e a simetrização em um único procedimento, sendo que até 90% dos casos são elegíveis à reconstrução imediata. “Quem tem uma mama reconstruída tem uma chance menor de ter depressão e também enfrenta o tratamento complementar de uma forma mais animada”, afirma Marcelo Sampaio.

No que tange à produção de conhecimento científico, a expectativa é que a expertise acumulada se transforme em publicações de relevância nacional e internacional. “Fiquei impressionado com o atendimento humanizado, onde médicos, enfermeiros, técnicos, equipe de nutrição, seguranças, absolutamente todos, estão empenhados em ofertar um serviço de excelência para os pacientes do Sistema Único de Saúde”, ressalta o cirurgião plástico.

Desde a sua inauguração, em janeiro de 2017, até o ano de 2020, mais de 4.500 procedimentos cirúrgicos específicos da mama foram realizados pelo Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital da Mulher.