Advogado baiano promete ingressar na Justiça contra “fake news”   

césar

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

O advogado César Oliveira divulgou uma nota à imprensa informando que já ingressou com uma ação judicial de reparação de danos contra José Amílcar, editor do blog “nem amigo nem inimigo”, após ter seu nome citado em uma “fake news”, publicada no site.

De acordo com o “nem amigo nem inimigo”, César Oliveira estaria advogando para a desembargadora Sandra Inês, denunciada na “Operação Faroeste”. César Oliveira nega qualquer relação com a magistrada, assim como atuação no processo a qual responde.

César Oliveira faz questão de esclarecer na nota à imprensa eu não advogou, colaborou ou foi investigado na “Operação Faroeste”, atribuindo a “inimigos ocultos e a criminosos desesperados a inútil e vã tentativa de envolver-me em uma investigação da qual desconheço”.

Leia a nota na íntegra

Caro Senhor José Amílcar, editor do blog sensacionalista “nemamigoneminimigo”.

Muito embora o Senhor tenha tido aqui na Bahia uma atuação jornalística medíocre e superficial, sendo absolutamente irrelevante e desconhecido da maioria do povo baiano, não aprendeu a lição mais óbvia de sua profissão, dando mais uma vez demonstração de ser relapso e inconsequente, tanto mais que sequer observa a regra básica do seu múnus, qual seja: a de ouvir o outro lado, a pessoa referida na matéria, sobretudo se a matéria, com é o caso, vem de fonte anônima.

Se o Senhor estivesse remotamente preocupado com a informação de seu leitor, tomaria a comezinha providência de pelo menos ler os autos, onde verificaria que ali não há qualquer menção à minha pessoa, seja como advogado, como colaborador ou mesmo como investigado.

Para seu governo, não sou e nunca fui advogado de ninguém envolvido direta ou indiretamente na denominada operação Faroeste, muito embora pudesse fazê-lo com tranquilidade, porque em pleno gozo de minhas atividades profissionais.

Não sou advogado da Desembargadora Sandra Inês – a quem sequer conheço – nem de seu filho Vasco Rusciolelli, como mentirosamente seu blog afirma, enganando seus leitores mais uma vez.

Pelo que sei, a referida Desembargadora e seu filho são defendidos pelo brilhante advogado Pedro Henrique Duarte, que vem mostrando coragem e competência incomuns no exercício do seu labor, engrandecendo a advocacia baiana.

Pedro Henrique Duarte, foi, sim, estagiário do escritório de advocacia que eu mantinha, para minha imensa satisfação, junto com o saudoso e genial Professor João de Melo Cruz, honra e glória da advocacia baiana. Isso, por volta do ano 1999/2000, aproximadamente.

De lá para cá, o advogado Pedro Henrique estabeleceu—se por conta própria, casou-se, teve filho, montou diversos escritórios, foi sócio de muitos advogados, inclusive de professores que hoje brilham na advocacia baiana, tendo escritório de advocacia próprio, com endereço conhecido.

Não sou mentor, inspirador ou eminência parda de quem quer que seja.

Não sou núncio, emissário, nem falo em nome de ninguém.

Não aceito e repudio veementemente qualquer um que queira falar em meu nome.

Os que me conhecem sabem que, em mais de 40 anos de advocacia, travo meus embates de peito aberto, no pretório e na tribuna, sem nunca me sujeitar a esconder-me sob o manto de qualquer tipo de anonimato.

Não sou advogado, colaborador ou investigado pela operação Faroeste, repito, e atribuo a inimigos ocultos e a criminosos desesperados a inútil e vã tentativa de envolver-me em uma investigação da qual desconheço qualquer fato e nenhuma participação de qualquer dos supostos envolvidos, conhecendo apenas o que é publicado nas mídias respeitadas e mesmo nas outras nem tanto, a exemplo de nemamigoneminimigo.

Isto posto, informo que ingressarei com a competente ação de reparação de dano moral contra o jornalista José Amílcar, autor das matérias sensacionalistas envolvendo o nome do subscritor, quem sabe buscando confundir as investigações e beneficiar eventuais patrocinadores dessas falsas e mentirosas informações, frise-se.

Cordialmente,

Salvador, 13 de outubro de 2021

César Oliveira

OAB/BA 8707