Ajuste fiscal pode chegar ao Bolsa Família

“Eu não tenho nenhum problema em cortar o Bolsa Família porque eu sei que tem fraude”, disse o relator do projeto de Orçamento da União de 2016 (Imagem Ilustrativa)
“Eu não tenho nenhum problema em cortar o Bolsa Família porque eu sei que tem fraude”, disse o relator do projeto de Orçamento da União de 2016 (Imagem Ilustrativa)

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
 “Eu não tenho nenhum problema em cortar o Bolsa Família porque eu sei que tem fraude”, disse o relator do projeto de Orçamento da União de 2016 (Imagem Ilustrativa)
“Eu não tenho nenhum problema em cortar o Bolsa Família porque eu sei que tem fraude”, disse o relator do projeto de Orçamento da União de 2016 (Imagem Ilustrativa)

O Bolsa Família entrou na mira da tesoura, pois o governo não tem novas receitas para fechar o rombo das contas do em 2016. O relator-geral do projeto de Orçamento da União de 2016, deputado Ricardo Barros (PP-PR), decidiu que não vai incluir na proposta os recursos previstos com a arrecadação da nova CPMF e avisa que, para compensar, não terá “dó” de cortar recursos de programas do governo. Para ele, pode haver espaço para enxugar o Bolsa Família porque há “fraude” no programa.

O programa de transferência que beneficia cerca de 13,8 milhões de famílias sempre foi blindado dos cortes orçamentários e, no próximo ano, deverá custar R$ 28,8 bilhões. O pagamento médio por família é de R$ 164. Para tirar o orçamento do déficit, o governo já promoveu uma série de cortes em programas sociais no valor de R$ 25,5 bilhões. “Eu posso passar a tesoura. Eu não tenho dó. Eu não tenho nenhuma dificuldade de cortar as coisas que não vão ter dinheiro para serem feitas. Não adianta deixar no Orçamento o que não vai se realizar depois”, disse Barros, um dos vice-líderes do governo da Câmara. “Eu não tenho nenhum problema em cortar o Bolsa Família porque eu sei que tem fraude”, disse o relator do projeto de Orçamento da União de 2016.
Ricardo Barros já avisou aos ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, que não pretende incluir no orçamento do próximo ano os R$ 32 bilhões previstos para serem arrecadados com a volta da CPMF. Para Barros, além da aprovação “incerta” pelo Congresso, ela não produzirá a arrecadação esperada pelo governo.

Segundo o Estado de S. Paulo, autoridades do governo ouvidas reservadamente pelo Estado defendem o programa que, este ano, deve gastar R$ 27,7 bilhões. “A ideia é acabar com o grande legado do PT, o social, para cortar todas as possibilidades políticas do Lula”, criticou uma fonte do governo, referindo-se a eventual possibilidade de o ex-presidente tentar voltar ao Palácio do Planalto em 2018 e usar o programa como ativo eleitoral.