Andressa Urach chama seu passado de nojento

Polêmicas sobre Andressa estão todas no livro. Foto: Celso Tavares/ EGO.
Polêmicas sobre Andressa estão todas no livro. Foto: Celso Tavares/ EGO.

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Polêmicas sobre Andressa estão todas no livro. Foto: Celso Tavares/ EGO.
                                                       Polêmicas estão todas no livro. Foto: Celso Tavares/ EGO.

Às vésperas do lançamento oficial de sua polêmica biografia, Andressa Urach concedeu entrevista ao Ego no seu apartamento, em São Paulo. O livro revela detalhes chocantes da vida dela – o passado como prostituta de luxo, o primeiro orgasmo com um cachorro, o abuso sexual que sofreu na infância e a perda da virgindade com o meio-irmão, que tomaram conta das redes sociais na semana passada e repercutiram na mídia. Com tiragem inicial de um milhão de exemplares, “Morri para viver – Meu submundo de fama, drogas e prostituição” será lançado nesta segunda-feira (24), às 19h, no shopping JK, em São Paulo, com a presença da autora.

Durante a entrevista ao Ego, Andressa repetiu diversas vezes às palavras “horrível, nojento, asqueroso”, ao classificar suas ações no passado. Ela atribui sua mudança de vida à grave infecção que sofreu e que a levou quase à morte. A autora garante que escreveu o livro não para se promover, mas para ajudar as pessoas que passam pelo o que ela passou. Com a saúde recuperada e convertida à religião evangélica, a vice-Miss Bumbum e protagonista de escândalos e mentiras assegura: “Hoje tenho paz e durmo com a consciência tranquila”.