Assinatura de ofício impede transformação de leitos em Unidades de Terapia Intensiva no Hospital de Campanha, afirma vereador

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Em uma visita realizada ao Hospital de Campanha, na tarde de terça (6), pelos integrantes da Comissão Especial de Combate à Covid-19 e os membros da Comissão de Saúde, Assistência Social e Desporto, ambas da Câmara Municipal, foi informado que existem cinco leitos disponíveis para serem transformados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no hospital, contudo a mudança não ocorre por mera burocracia.

Segundo o vereador Ivamberg Lima (PT), os vereadores presentes na reunião foram surpreendidos com a informação dada pelo diretor do Hospital de Campanha, Francisco Mota, de que existe este entrave quanto à assinatura de um ofício.” A transformação dos leitos ainda não foi realizada porque depende da assinatura de um ofício pelo secretário de saúde atual. Saímos de lá revoltados, porque, quando se trata de saúde, nós precisamos agir, ainda mais nesse período em que um vírus assola o mundo”, disse. 

EMERSON MINHO: “NÓS TIRAMOS UM SECRETÁRIO DE SAÚDE E COLOCAMOS UM COMERCIANTE” 

O presidente da Comissão de Saúde, Assistência e Desporto da Câmara, Emerson Minho (DC), que também esteve na reunião, reiterou o discurso de Ivamberg, lamentando a postura adotada pelo atual secretário da saúde, Marcelo Brito. “Ele não se movimenta. Nós tiramos um secretário de saúde e colocamos um comerciante. Isso é um absurdo porque cinco leitos de UTI poderiam estar ajudando a salvar vidas em nossa cidade”, frisou. 

Emerson lembrou, ainda, que quando Edval Gomes era secretário, ele estava entrando em contato com os hospitais da cidade para resolver a situação da realização de cirurgias ortopédicas no município, devido à demanda da população, mas após a troca de secretários, as ações quanto ao assunto não foram pra frente.