Audiência Pública é realizada pela Corregedoria do TJ-BA em Santo Estevão

43b0ca1c-d8d8-4e64-8b86-c9df1ad7ddcf

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Uma audiência pública foi realizada em Santo Estevão pela Corregedoria do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) com o objetivo de buscar uma aproximação do tribunal com as comarcas do interior do Estado. O encontro ocorreu durante a tarde desta segunda-feira (23), na Câmara de Vereadores local, e também teve o intuito de ouvir as demandas dos magistrados, da advocacia e de toda a sociedade santo-estevense e região circunvizinha.

Na oportunidade, o presidente da OAB Subseção Feira de Santana, Dr. Raphael Pitombo, que também representava a seccional da OAB Bahia na pessoa da presidente Daniela Borges, se manifestou no sentido de destacar a importância desses encontros que o Tribunal de Justiça tem feito com as comarcas do interior. “Tais audiências permitem que a realidade vivida pela advocacia e pelos cidadãos com relação à justiça seja conhecida por todos. Ainda, pontuei alguns desafios que, quem advoga no interior, tem que enfrentar no seu dia a dia de trabalho”, afirma.

O presidente da OAB Feira também ressaltou a necessidade de priorização do juízo de primeiro grau, principalmente com a contratação de novos magistrados e servidores. “Esperamos que o diálogo seja constante na busca de soluções visando a melhoria do judiciário e do exercício da advocacia”, pontua.

Dra. Lorena Peixoto, vice-presidente da OAB Feira, também participou do encontro e salientou os casos de violência doméstica que têm sido notificados em grande quantidade em cidades baianas como Santo Estevão. “É deveras importante que o Tribunal dê todo o apoio necessário na instalação dos órgãos competentes para acolherem as mulheres que se encontram nesta situação de vulnerabilidade. Decerto que essas mulheres, em condições de violência, precisam ter um amparo não só legal, mas de toda a sociedade. É preciso denunciar. Não podemos nos calar diante dos casos”, frisa.

A vice-presidente lembrou que, em Feira de Santana, já existe uma delegacia especializada em defesa à mulher, a DEAM, e é perceptível como a mulher se sente encorajada, pois visualiza no órgão uma rede de apoio e de proteção. “Nós contamos com profissionais especializados, sensíveis e capacitados para atender àquela mulher em condição de violência. Precisamos encorajá-la e, para isso, é preciso começar com um bom atendimento”, destaca.

Participaram da audiência, além dos representantes da Subseção Feira de Santana e da Seccional Bahia, o corregedor do interior, desembargador Dr. Jatahy Fonseca; a presidente da AMAB – Associação dos Magistrados da Bahia, Dra. Nartir Weber, bem como diversos magistrados como Dr. Rogério Rossi e Dra. Isabella Lago, e ainda políticos e cidadãos locais e de cidades circunvizinhas.