Bahia lidera ranking de mortes por choque elétrico no país

1

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

A Bahia é o estado número um em mortes por choque elétrico no Brasil. Conforme pesquisa da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel), o estado registrou 68 óbitos em 2014. O estudo foi o primeiro detalhado sobre o tema e analisou notícias divulgadas em todas as mídias e redes sociais do país. Os números oficiais da Bahia apontam para um quadro ainda mais alarmante. A Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) indica que foram registrados 127 óbitos no ano passado.

Em entrevista ao jornal A Tarde, o engenheiro elétrico Edson Martinho, que integrou a pesquisa nacional, afirma que os acidentes acorreram, em sua maioria, dentro das residências, devido à má conservação do sistema de energia. Segundo o profissional, as instalações precisam de manutenção a cada cinco anos, pois o isolamento dos cabos pode ser danificado durante a construção da casa, em obras, ou até mesmo com o passar do tempo.

“Outra questão é que os equipamentos eletrônicos estão cada vez mais potentes. As instalações elétricas precisam acompanhar esse desenvolvimento, para suportar a carga”, frisa Martinho. Essas revisões precisam ser feitas por profissionais comprovadamente capacitados, defende o engenheiro. Na inspeção, são analisados: condutor de proteção, fio terra, dispositivo DR (proteção contra choques elétricos e incêndios) e dimensão dos cabos.

Ocorrências

A Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia (Coelba) pontua que registrou 105 ocorrências de eventos envolvendo a interferência da população na rede da empresa em 2014. Dessas, 34 acarretaram mortes. Neste ano, já foram 49 registros, com nove óbitos.

Gerente corporativo de segurança da Coelba, Hugo Vidal informou ao jornal A Tarde que 40% dos acidentes registrados, resultantes em mortes, estavam associados a obras irregulares junto à rede elétrica. De acordo com ele, a distância de segurança não estava sendo respeitada por quem construía os “puxadinhos” e lajes.

Os outros 60% das ocorrências estão ligadas à falta de manutenção dentro das residências. “É extremamente importante que as pessoas sigam as normas e sejam cautelosas quando o assunto for energia. A atenção também deve ser redobrada em locais úmidos, como banheiros e lavanderias”, destaca Vidal.

“Gato”

Entre as instalações irregulares, 10% são referentes a ligações clandestinas, conhecidas como “gatos”. O engenheiro elétrico Edson Martinho alerta que os fios de alta-tensão, comuns nos postes, podem levar à morte ou causar danos irreversíveis, como queimaduras, parada cardíaca ou respiratória. Em longo prazo, podem causar doenças como câncer, nos rins, no pâncreas e sistema respiratório. Hugo Vidal, da Coelba, frisa que “gato” é crime (furto – Art. 155, § 3º, do Código Penal) e a pena pode ser de um a quatro anos de prisão e multa. “Isso sem contar que põe em risco a vida de quem faz e de quem passa pela rua. Pode ainda causar sérios problemas ao fornecimento de energia”, conclui.

Evite ser vítima de acidentes

Manutenção – A rede elétrica interna deve passar por manutenção a cada cinco anos.

Fios e tomadas – O cuidado precisa ser intensificado, principalmente se houver crianças na residência. Verifique se os fios estão bem isolados e tampe as tomadas com protetores.

Chuveiro elétrico – Nunca ajuste a temperatura do chuveiro com ele ligado. Desligue a fonte para isso.

Geladeira – Este ou qualquer outro equipamento que esteja dando pequenos choques precisam ser trocados e não podem ser doados.

Secador de cabelo e chapinha – Use-os em um local seco, como o quarto. Após o banho, com o corpo ainda molhado, não é recomendado.

Trovoadas e raios – Não use celulares ou outros dispositivos que estejam carregando. Evite utilizar telefone fixo.

Fonte: Programa Casa Segura, do Instituto Brasileiro do Cobre.

Com foto de capa e informações do site do jornal A Tarde.