Bancários suspendem atendimento interno em 742 agências

Movimento ganhou apoio de outras entidades. Foto: Site do Sindicato.
Movimento ganhou apoio de outras entidades. Foto: Site do Sindicato.

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Movimento ganhou apoio de outras entidades. Foto: Site do Sindicato.
Movimento ganhou apoio de outras entidades. Foto: Site do Sindicato.

No segundo dia de greve nacional dos bancários, iniciada na última terça-feira (6), 126 agências pararam o atendimento interno em Salvador. Na Bahia, o total é de 742. Nesta quarta-feira (7), a categoria realizou uma caminhada pelo Centro da cidade para marcar o apoio de outros movimentos, como a Central Sindical e Popular (CSP).

Conforme o presidente do Sindicato dos Bancários, Augusto Vasconcelos, ao jornal A Tarde, alguns caixas eletrônicos em Salvador já estão sem dinheiro. “Mesmo sendo um serviço que é terceirizado (o abastecimento dos caixas), precisa que um funcionário da agência abra o local”, detalha o sindicalista.

Dificuldades

A equipe do A Tarde, no entanto, percorreu algumas agências na capital e não identificou a falta de dinheiro em caixas. Porém, quem precisa de auxílio para usar o autoatendimento encontrou dificuldades. O aposentado Eliezer Queiroz de Melo, 65, voltou para casa porque não conseguiu sacar. “Como não tem nenhum funcionário aqui, prefiro voltar do que pedir informações a estranhos”, declara.

De acordo com Augusto Vasconcelos, não há previsão de encerramento da greve. “Não existem rodadas de negociações previstas. Eles (bancos) estão apostando no desgaste do movimento perante a população. Não querem negociar”, pontua o presidente do Sindicato dos Bancários.

Vasconcelos disse, ainda, que o movimento grevista não quer prejudicar a população. “A culpa da greve é dos bancos”, acrescenta. Em nota, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) informou que a proposta continua a mesma: 5,5% de reajuste salarial, o que, conforme o Sindicato dos Bancários, não cobre a inflação, acumulada em 9,88% no mês de setembro. A categoria pleiteia 16%.

Com informações do site do jornal A Tarde.