Caixa suspende recursos para construção do BRT em Feira

O Ministério das Cidades alega que necessita de esclarecimentos sobre o projeto. (Foto: Reprodução)
O Ministério das Cidades alega que necessita de esclarecimentos sobre o projeto. (Foto: Reprodução)

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
O Ministério das Cidades alega que necessita de esclarecimentos sobre o projeto. (Foto: Reprodução)
O Ministério das Cidades alega que necessita de esclarecimentos sobre o projeto. (Foto: Reprodução)

De acordo com a assessoria de comunicação da prefeitura de Feira de Santana – Região Centro Norte baiana -, um ofício informando sobre a suspensão pela Caixa Econômica Federal aos repasses de pagamentos para as obras do BRT foi recebido hoje (30) pelo governo municipal. A suspensão dos recursos foi solicitada pelo Ministério das Cidades no dia 16 de setembro.

Em entrevista ao Acorda Cidade, o secretário de Transportes e Mobilidade Urbana, Dário Rais Lopes, informou que a prefeitura não poderá dar continuidade à implantação do projeto até que preste todos os esclarecimentos devidos sobre a forma como está sendo conduzido o processo. O secretário citou ainda como justificativa para o pedido de suspensão mudanças no projeto após a aprovação pela Caixa, o que gerou uma série de questionamentos sobre a maneira como o BRT está sendo implantado na cidade.

“Esse empreendimento foi habilitado, ou seja, a cidade de Feira de Santana se qualificou para receber a estrutura do BRT, mas o que nós vemos agora é que a implantação está sendo feita de uma forma que não corresponde nem ao local, nem ao empreendimento em si. O que nós estamos solicitando é que a Caixa interrompa os pagamentos até que nós da Secretaria de Transportes e Mobilidade Urbana tenhamos a total tranquilidade de que a solução seja não só boa para Feira de Santana, mas a forma como está sendo implantada é a forma que dá menos trabalho, menos perturbação, menos problema aos habitantes, trazendo menos prejuízo para o comércio, menos instabilidade no fluxo, e principalmente não comprometendo áreas verdes e calçadas”, esclareceu Dário Rais Lopes.

O prefeito José Ronaldo, através de nota, informou que o governo municipal “está preparado para prestar todas as informações que sejam solicitadas pelas instituições. Certos da legalidade de todo o processo e do desejo tanto do Município quanto do Ministério das Cidades de trabalhar pelo povo de Feira de Santana”.