Campanha estimula adoção de crianças e adolescentes

Foto: reprodução

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Eles não foram gerados nem amamentados por aquela mãe. Não possuem os mesmos traços físicos daquele pai. Mas são amados e criados como se assim o fossem. São os chamados ‘filhos do coração’. Na semana em que se comemora o Dia Nacional da Adoção (25 de maio), a Defensoria Pública da Bahia intensifica a ‘Ação Cidadã Ame e Adote’.

A campanha tem dois objetivos – estimular famílias que já cuidam de crianças e adolescentes a adotarem esses jovens, garantindo direitos, além de fomentar a adoção de crianças e adolescentes que vivem em creches e abrigos com requisitos para serem adotados. A adoção garante ao adotado todos os direitos legais como se filhos biológicos fossem.

Foto: reprodução
Foto: reprodução

A intensificação da ação vem ocorrendo desde o dia 8 deste mês em Salvador, nas unidades do Jardim Baiano e Sussuarana, com atendimentos das 8 às 16h. Nas regionais, para aqueles que quiserem regularizar a situação jurídica de crianças e adolescentes com os quais já convive, acontece de forma intensificada desta segunda a sexta-feira (25 a 29). A Ação Cidadã Ame e Adote é realizada, no entanto, permanentemente durante todo o ano.

Segundo dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) há no Brasil 33 mil pretendentes aguardando na fila de adoção. O número de crianças e adolescentes aptos a serem adotados é bem menor, chegando a 5,6 mil. Segundo a subcoordenadora da Especializada de Defesa da Criança e Adolescente, Maria Carmen Novaes, a conta não fecha em razão do perfil desejado pelas famílias brasileiras para adoção – 30% dos pretendentes querem crianças recém-nascidas, brancas e do sexo feminino. Na Bahia, o cenário é semelhante. Embora 8 mil pretendentes queiram adotar, 70% dos cerca de 1.600 jovens em situação de adoção são pardos ou negros. O que torna a decisão de uma família em adotar alguém fora do padrão preferencial um ato ainda mais especial.

De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) podem adotar maiores de 18 anos, não importando o estado civil. É preciso haver ainda uma diferença mínima de 16 anos entre quem vai adotar e quem será adotado. A adoção garante à criança ou adolescente a possibilidade de adquirir direitos patrimoniais e sucessórios, além da inclusão do sobrenome da nova mãe/pai no registro civil. É importante lembrar que as regras previstas para a adoção são as mesmas em casos de famílias formadas por casais homoafetivos. Interessados em saber mais informações sobre a campanha, que documentos levar para o atendimento inicial, ou endereços das Regionais no interior, podem ligar em Salvador, de telefone fixo, para o Disque Defensoria – 129.