Como identificar a síndrome de Ovários Policísticos

ovários-policisticos

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

ovários-policisticos

Quando a mulher começa a apresentar distúrbios no ciclo menstrual e obesidade – muitas vezes acompanhado de acne e aumento da quantidade de pelos ou mudança em sua distribuição (hirsutismo) –, ela pode estar diante da Síndrome dos Ovários Policísticos -S.O.P. A doença, também conhecida como Síndrome de Stein-Leventhal, atinge cerca de 30% das mulheres em idade fértil.

A S.O.P. é caracterizada por anormalidades hormonais que são, ao mesmo tempo, causa e conseqüência dessa doença. De acordo com o médico Assumpto Iaconelli Júnior, médico especialista em fertilização, diretor da Clínica de Reprodução Assistida ART, o estado constante de amenorréia (ausência da menstruação) e oligomenorréia (irregularidade de ciclo), devido à anovulação, acabam gerando um desarranjo no padrão endócrino. “Algumas pacientes apresentam elevação dos níveis de insulina, aumentando o risco de diabetes, e todas elas têm aumento na produção de hormônios androgênios: testosterona, androstenediona, DHEA e S-DHEA – que dificultam a gravidez”, salienta.

Segundo o médico, a alteração nas taxas de insulina promove danos não apenas na área ginecológica, mas também está relacionada com a incidência de obesidade e elevação da pressão arterial. A anovulação, característica nas mulheres que têm a síndrome, é ainda responsável por quadros de infertilidade. Mas Iaconelli explica que a S.O.P. não interfere nos resultados da Fertilização in Vitro.

Iaconelli destaca que o tratamento pode ser feito com ênfase em um de três objetivos, dependendo de qual seja o predominante em cada paciente: a regularização do ciclo menstrual, o tratamento da esterilidade ou a melhora do hirsutismo. “Deve-se procurar reduzir a produção e circulação de hormônios androgênios, e, quando necessário, indicar medicamentos que diminuam a resistência periférica à insulina”, diz. “O objetivo é proteger o endométrio dos efeitos da constante exposição de estrógenos, evitar os efeitos da superinsulinemia para o organismo, induzir a ovulação para alcançar e manter a gravidez e ainda oferecer suporte para controle do peso ideal”, afirma.