Corregedoria determina perda de delegação a acusado de feminicídio em Feira de Santana

Selma regina

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

O corregedor-geral do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), desembargador José Edvaldo Rocha Rotondano, determinou a perda da delegação a Éden Márcio Lima de Almeida, de Feira de Santana, acusado de matar a bancária Selma Regina Vieira da Silva, em abril de 2019. Selma e Eden estavam juntos há 24 anos e tinham duas filhas. A família da vítima afirmou que Eden se relacionava com a estudante Anna Carolina e que Selma teria aceitado a situação por medo de se separar e até perder a guarda das crianças.

Com o tempo, segundo a denúncia, a vítima teve um triângulo amoroso envolvendo o denunciado. De acordo com o Ministério Público da Bahia (MP-BA), no dia do crime, a vítima e os dois suspeitos foram a uma festa onde usaram entorpecentes e álcool. A denúncia aponta que, horas depois, já na casa do casal, houve uma discussão entre os três. Foi quando Selma sofreu as agressões em várias partes do corpo, como cabeça, nádegas, coxas, joelhos, braços e rosto, conforme o laudo cadavérico. O MP-BA só conseguiu oferecer a denúncia contra o delegatário por feminicídio no final de 2020, por interferências externas na condução do inquérito.

O Tabelionato de Protesto de Títulos da Comarca de Feira de Santana, que tem como delegatário Éden Márcio Lima de Almeida, estava sob intervenção desde 2019, com designação de uma interventora Flávia Costalonga Ramos para não suspender as atividades para a população.