CPI da Petrobras ouve nesta quinta lobista Milton Pascowitch

Em acordo de delação premiada, Milton Pascowitch disse que intermediou o pagamento de propina a Dirceu e ao PT. Foto: Reprodução/TV Globo
Em acordo de delação premiada, Milton Pascowitch disse que intermediou o pagamento de propina a Dirceu e ao PT. Foto: Reprodução/TV Globo

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Em acordo de delação premiada, Milton Pascowitch disse que intermediou o pagamento de propina a Dirceu e ao PT. Foto: Reprodução/TV Globo
Em acordo de delação premiada, Milton Pascowitch disse que intermediou o pagamento de propina a Dirceu e ao PT. Foto: Reprodução/TV Globo

Após ter cancelado por decisão judicial a acareação entre o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa, prevista para esta quarta-feira (6), a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras marcou para esta quinta-feira (6) o depoimento do lobista Milton Pascowitch. A informação foi repassada pelo presidente da comissão, Hugo Motta (PMDB-PB).

Motta informou que o juiz da 13ª Vara da Justiça Federal em Curitiba, Sérgio Moro, autorizou o depoimento de Pascowitch. Além de pedir a autorização do depoimento, a CPI solicitou o acesso ao conteúdo da delação premiada do lobista, mas o pedido foi indeferido por Moro.

Na terça-feira (4), a defesa de Costa apresentou um atestado médico, acatado por Sérgio Moro, pedindo a suspensão da acareação. Ao atender o pedido, Moro determinou que Costa só poderá se apresentar à CPI em 15 dias, a partir de 30 de agosto. Segundo a Polícia Federal, os depoimentos do delator foram essenciais para justificar a prisão do ex-ministro José Dirceu, na 17ª fase da Operação Lava Jato, denominada Pixuleco.

Em acordo de delação premiada, o lobista Milton Pascowitch disse que intermediou o pagamento de propina a Dirceu e ao PT, usada em campanhas eleitorais. Em nota, o PT disse que as doações para campanha eleitoral ocorreram dentro da lei. Publicada no site oficial e assinada pelo presidente nacional do partido, Rui Falcão, a nota afirma que as doações foram feitas por meio de transferência bancária e declaradas à Justiça Eleitoral.

Motta informou que o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, concedeu habeas corpus que suspende a aprovação da quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico de duas filhas, da mulher e da irmã do doleiro Alberto Youssef, respectivamente, Taminy Youssef, Kemelly Caroline Fujiwara Youssef, Joana Darc Fernandes Youssef e Olga Youssef.

*Agência Brasil