Cresce o número de casos de doenças transmitidas pelo aedes aegypti em Feira de Santana

Foto: Raylle Ketlly
Foto: Raylle Ketlly

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
O aumento no número de casos notificados de arboviroses – doenças transmitidas pelo mosquito aedes aegypti – chama a atenção da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Desta forma, o órgão municipal alerta a população a adotar as medidas de prevenção com o objetivo de diminuir os índices de infestação vetorial e quebrar a cadeia de transmissão da doença.
De janeiro até o dia 7 de junho deste ano foram registrados 460 casos suspeitos de dengue, 132 de chikungunya e 6 de zika vírus. Desse total, 50 foram confirmados como dengue, 28 de chikungunya e um sendo zica vírus.
O coordenador do Centro Municipal de Referência em Endemias, Edilson Matos, afirma que o município vive um período crítico com o aumento de casos.
“As pessoas se descuidaram. Temos na cidade 40 mil tanques descobertos, 12 mil casas fechadas, além de terrenos baldios, onde são jogados lixos e outros detritos. Tudo isso facilita a proliferação do mosquito”, ressalta.
Ele destaca que o trabalho do órgão municipal é realizado diariamente, inclusive nos finais de semana. Contudo, reitera que é importante a conscientização da população no combate ao mosquito.
“As medidas de prevenção estão acontecendo diuturnamente em todo o município com ações de conscientização e combate efetivo. Mas, a população deve ser parceira nessa luta”, diz o coordenador de Endemias. Locais onde há focos do mosquito podem ser denunciados através do número 156.
VISITA DOMICILIAR
Ainda de acordo com Edilson Matos, os agentes de endemias trabalham fardados e possuem identificação. Geralmente atuam na mesma região e em grupos.
Ao visitarem os domicílios, orientam os moradores a manter os recipientes secos, sem água parada, fazem o bloqueio da cadeia de transmissão do mosquito e realizam o trabalho perifocal, junto a aplicação de larvicida em água parada.
“Outro fator que prejudica o nosso trabalho é a insegurança do morador por medo de assaltos, principalmente em condomínios fechados. Informamos que os agentes têm identificação”.
SINTOMAS
Pessoas que sentem febre, dores nas articulações, náuseas/vômito, dor nos olhos e manchas no corpo devem procurar a unidade de saúde mais próxima da residência. No local será feita a avaliação, medicação e encaminhamentos – se necessário.