Criança de 2 anos se recusa a pôr cinto e voo atrasa 45 minutos

Caso ocorreu no aeroporto internacional Presidente Juscelino Kubitschek em Brasília (DF). Foto: transportabrasil.com.br.

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Caso ocorreu no aeroporto internacional Presidente Juscelino Kubitschek em Brasília (DF). Foto: transportabrasil.com.br.
             Caso ocorreu no aeroporto internacional Presidente Juscelino Kubitschek em Brasília (DF). Foto: transportabrasil.com.br.

Um voo da TAM, que sairia de Brasília na manhã deste sábado (12) em direção a São Paulo, atrasou 45 minutos porque uma criança de 2 anos não permitiu que os pais colocassem o cinto de segurança nele. O bebê, os pais e a irmã, que aparentava 6 anos, tiveram de deixar o avião e seguir em outro voo.

Conforme passageira ouvida pelo G1, o avião já estava taxiando para entrar na fila de decolagem quando o piloto anunciou “portas em manual” – procedimento para a abertura das portas de saída dos passageiros. Ao questionar a comissária de bordo sobre a suspensão do voo, ela foi informada de que a criança se mexia muito e não permitia que os pais colocassem o cinto nela. De acordo com a passageira, o bebê chorava muito enquanto o avião seguia para a decolagem.

O avião parou então em uma área fora da pista de decolagem até que uma van buscasse os pais e as duas meninas. Antes de seguir viagem, os passageiros tiveram de esperar que a bagagem da família fosse tirada do compartimento de carga. “Ficou todo mundo surpreso. Afinal, era uma criança”, disse. Alguns passageiros reclamaram da situação, mas não houve tumulto, “só incredulidade de todo mundo”, afirmou a passageira.

Segundo ela, a comissária disse que a empresa não permite que passageiros estejam sem o cinto na decolagem e no pouso, por normas de segurança. “A companhia reitera que a segurança é um valor imprescindível e todas as suas decisões visam garantir uma operação segura”, informou a TAM, em nota ao G1. O avião deveria ter decolado às 8h, mas só seguiu viagem para Congonhas às 8h45. Os pais, a bebê e a outra criança tomaram outro voo da companhia, que decolou às 11h.