Criminoso se passava por parente de moradores para invadir prédios na BA

Câmera de segurança registrou um dos suspeitos, que ainda não foi identificado. Foto: Divulgação/Polícia Civil.
Câmera de segurança registrou um dos suspeitos, que ainda não foi identificado. Foto: Divulgação/Polícia Civil.

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Câmera de segurança registrou um dos suspeitos, que ainda não foi identificado. Foto: Divulgação/Polícia Civil.
                      Câmera de segurança registrou um dos suspeitos, que ainda não foi identificado. Foto: Divulgação/Polícia Civil.

Três homens são apontados pela polícia como suspeitos de invadir prédios e roubar objetos nos apartamentos de chineses em Salvador. Conforme a Polícia Civil ao G1 nesta segunda-feira (23), um dos suspeitos de praticar o crime, que ainda não foi identificado, se passava por parente das vítimas para acessar as residências, em julho deste ano. A delegada Carmem Dolores Bittencourt, que investiga os casos, revelou que o homem tem traços orientais e por isso conseguia entrar nos prédios.

Bruno Andrade apontado pela polícia como suspeito de integrar a quadrilha. Foto: Divulgação/ Polícia Civil.
Bruno Andrade apontado pela polícia como
suspeito de integrar a quadrilha. Foto: Divulgação/Polícia Civil.

Dos três suspeitos, somente um deles, Bruno Andrade Teixeira, 24 anos, foi identificado. O circuito de segurança de um prédio no Corredor da Vitória registrou a ação do grupo. No local, a quadrilha conseguiu acessar o apartamento de um casal de idosos, levar joias e dinheiro.

Bruno Teixeira e os comparsas agiram em bairros como Corredor da Vitória, Itaigara, Garcia e Mercês. A prisão do jovem já foi solicitada à Justiça pela delegada. O grupo integra uma quadrilha que atua em diversos estados e já teve componentes presos em São Paulo, no Rio de Janeiro, Minas Gerais e no Ceará. A delegada Carmem Dolores informou que Bruno utilizou o próprio carro nas ações criminosas.

Com informações do G1.