Cunha e Collor são denunciados ao STF por corrupção

Brasil, Brasília, DF, 02/03/2015. O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ)convoca reunião com a Mesa Diretora para rever a cota de passagens aéreas para cônjuges de parlamentares. "Reconheço que a repercussão foi muito negativa", afirmou o peemedebista. O benefício foi aprovado na reunião da Mesa Diretora no dia 25 de fevereiro. - Crédito:DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Código imagem:180989

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou nesta quinta-feira (20) ao Supremo Tribunal Federal (STF) denúncias contra deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, e também contra o senador Fernando Collor (PTB-AL). A denúncia versa sobre suposto envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras investigado pela Operação Lava Jato.

Janot pede, nas denúncias, a condenação de Cunha e Collor sob a acusação de terem cometidos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Há indícios de que eles receberam propina de contratos firmados entre a Petrobras e fornecedores da estatal.

A ex-deputada Solange Almeida (PMDB-RJ), aliada de Cunha e atual prefeita de Rio Bonito (RJ) também foi denunciada por Janot. Pedro Paulo Leoni Ramos, ministro do governo Collor, e mais três pessoas ligadas ao senador ainda compõem o texto da denúncia do procurador-geral da República. Cabe ao STF aceitar ou não as denúncias. Caso sejam aceitas, eles serão responderão a ações penais no Supremo Tribunal, já que têm foro privilegiado por conta da condição de parlamentares.

A acusação que diz respeito a Eduardo Cunha aponta que ele recebeu, entre junho de 2006 e outubro de 2012, pelo menos US$ 5 milhões para viabilizar a contratação de dois navios-sonda para a Petrobras. Já o ex-presidente da República recebeu R$ 26 milhões em propina, entre os anos de 2010 e 2014, através de um esquema de lavagem de dinheiro.