Deputado é suspeito de extorsão

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Deputado Dr. Basegio concede entrevista coletiva após denúncias de fraudes (Foto: Eder Calegari/RBS TV)
Deputado Dr. Basegio concede entrevista coletiva após denúncias de fraudes (Foto: Eder Calegari/RBS TV)

O deputado Dr. Basegio, (PDT/RS) concedeu entrevista coletiva nesta segunda-feira (8) para falar sobre as denúncias mostradas  ontem (7) em reportagem do Fantástico, da TV Globo, em parte confirmadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Suspeito de exigir parte dos salários de assessores, ele afirmou que é inocente. A investigação de três meses da RBS TV desvendou crimes de deputados de quatro estados, como falsificação de notas fiscais e esquema de funcionários fantasmas, que devolviam salários aos políticos ou sequer sabiam que estavam empregados. As irregularidades também envolvem a verba indenizatória paga a parlamentares.

“Confesso que as cenas que vi na TV ontem e revi. Vão marcar, porque a política está em um descrédito muito grande, e quando se vê um deputado manipulando dinheiro se atrela a isso, a uma série de coisas. Mas não existe nenhuma ilegalidade em eu usar o meu dinheiro dentro da Assembleia”, disse o deputado sobre as imagens que mostram ele manipulado dinheiro.

Ele ainda afirmou que ajuda uma instituição de caridade em Passo Fundo, além de usar sua verba para pagar despesas do gabinete. “Nossa verba indenizatória cobre parte das despesas, mas não outras ‘N’ despesas que são pagas pelos deputados”.

No Rio Grande do Sul, as fraudes foram reveladas pelo ex-chefe de gabinete de Basegio, Neuromar Gatto. Segundo ele, servidores comissionados, muitos dos quais fantasmas, devolviam ao parlamentar parte ou todo o vencimento mensal. O que também foi negado pelo deputado. Basegio também argumentou que o assessor fez a denúncia porque foi afastado do cargo. O motivo da exoneração, segundo o deputado, foram as alterações em diárias e o uso de cartão de combustível no carro próprio e outras irregularidades. Disse ainda que, em dezembro, Gatto o procurou para falar de um dossiê, dizendo que faria uma denúncia caso o deputado não pagasse R$ 1 milhão a ele.