Trabalhadores dos Correios cobram aumento de 12,94%

4

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

 

Em greve há oito dias, os funcionários dos Correios realizaram uma passeata nesta quarta-feira (23), em Salvador. A categoria saiu da sede do órgão, na Pituba, em direção ao prédio da Petrobras, no bairro do Itaigara. Os trabalhadores querem aumento salarial de 12,94% acima da inflação, R$ 40 de tíquete alimentação e contratação de mão de obra.

“Estamos em greve há mais de uma semana e em primeiro lugar, vem nosso aumento salarial, isso significa dignidade de trabalho. O que nós pedimos é apenas 12% acima da inflação, além da manutenção dos nossos direitos, que o Correios vem tentando tirar, como o plano de saúde. Enquanto eles tentarem nos prejudicar, vamos continuar com a greve”, declara o presidente do Sindicato dos trabalhadores em Correios do Estado da Bahia (Sincotelba), Josué Canto, ao jornal Tribuna da Bahia.

De acordo com Canto, a falta de mão de obra é a grande responsável pelo serviço de má qualidade prestado pelo órgão. “Hoje temos unidades em que deveriam ter 50 pessoas trabalhando, só temos 20, como é que se atende à população com um serviço de qualidade, assim? Temos vários concursados que estão ai a disposição e a empresa se nega em contratar, isso é inadmissível”, revela.

Conforme o sindicalista, a meta do ato coletivo é chamar a atenção da sociedade para a precarização dos serviços públicos e pressionar as negociações do movimento grevista com o governo. “Essa é uma unificação da classe salarial trabalhadora, onde estamos construindo com as centrais únicas, principalmente a CUT, uma possível conversa, mas se a empresa não se posicionar vamos buscar uma greve geral,” alerta.

Desde o dia 15 deste mês, a população conta apenas com 30% do efetivo dos Correios trabalhando. “A empresa solicitou que 60% dos trabalhadores estivessem em serviço, mas isso não seria uma greve, seria uma imposição e por isso não concedemos. Nós, hoje, não teríamos obrigatoriedade nenhuma de colocar servidores na rua, porém, pensando na população, mantemos 30% atendendo as prioridades, como medicamentos”, frisa Canto.

Uma reunião foi marcada entre a categoria e o Ministério do Trabalho, para tentar por fim a greve. “O ministro marcou uma audiência de conciliação, dia 25, sexta-feira, às 15 horas. Eu espero que eles venham com uma proposta justa e digna para os trabalhadores, caso o contrário, a greve continua, por tempo indeterminado”, conclui o presidente do Sincotelba.

Com informações do site do jornal Tribuna da Bahia.

Foto de capa: Romildo de Jesus.