Em programa de rádio, Marcelinho Guimarães diz que a Bahia precisa recuperar o tempo perdido

4a25645e-ec70-400e-94a9-d213423d0fb3

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Investimentos na educação e projetos de geração de emprego e renda, pós pandemia, foram os principais temas discutidos por Marcelinho Guimarães, durante entrevista no programa Boa Tarde Bahia, na rádio Nazaré FM, com Anderson Minho.

Marcelinho Guimarães criticou a situação do ensino público baiano, que amargou o último lugar num ranking brasileiro de educação pública à distância durante a pandemia da Covid-19. O estudo foi elaborado pela Fundação Getúlio Vargas.

“A pandemia nos mostrou o quanto a nossa educação estadual é deficitária. A rede pública de ensino não conta com qualquer estrutura para oferecer ensino à distância. Jovens sem internet e sem computador”, criticou.

Durante o programa, Marcelinho Guimarães destacou a necessidade de um novo projeto político para a Bahia. “O estado não avançou em várias áreas nos últimos 16 anos, entre elas a educação. Precisamos recuperar o tempo perdido”, disse.

EMPREGO E RENDA

Outro tema discutido no programa Boa Tarde Bahia foi a retomada do crescimento da economia estadual, com a geração de emprego e renda. Segundo Marcelinho Guimarães, é preciso focar na qualificação de mão de obra – prejudicada com a pandemia.

“Os estudantes de nível médio também foram muito prejudicados com esta pandemia. Muitos tiveram sua formação atrasada, cursos profissionalizantes interrompidos e pouca assistência do Governo do Estado”, comentou.

Marcelinho Guimarães também falou sobre as próximas eleições. Ele garantiu que apoia o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, na disputa pelo Governo da Bahia, além de admitir que está discutindo com um arco de partidos a sua filiação.

“Já definimos nosso apoio para as eleições de 2022. Vamos marchar com ACM Neto em um projeto novo para a Bahia. Sobre meu futuro, estamos discutindo com um arco de partidos, a exemplo do PSL, PSDB, PDT, Solidariedade e PROS”, admitiu.