Fiscalização apreende 338 animais silvestres na Bahia

Azulão estava entre os pássaros silvestres resgatados. Foto: Reprodução/Sobre os Pássaros

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Azulão estava entre os pássaros silvestres resgatados. Foto: Reprodução/Sobre os Pássaros
Azulão estava entre os pássaros silvestres resgatados. Foto: Reprodução/Sobre os Pássaros

Em operação realizada pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), com apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF), resultou na apreensão de 338 animais, além de 20 Autos de Infração em Campo e 13 Termos Circunstanciais de Ocorrência (TCOs) lavrados. A ação ocorreu nos municípios de Paulo Afonso (no Vale do São Francisco), Jeremoabo e Cícero Dantas (os dois últimos na região nordeste do estado).

O objetivo da fiscalização foi coibir o recolhimento indevido, comércio de caça predatória e criação de animais silvestres em cativeiro. As ações priorizaram denúncias encaminhadas ao Posto Avançado de Paulo Afonso (Papa), que é ligado à Unidade Regional do Inema, em Juazeiro, município também situado no Vale do São Francisco. As ocorrências eram referentes a lugares específicos dos municípios, a maior parte sobre o confinamento de pássaros em gaiolas e viveiros de reprodução.

De acordo com informações do instituto, os fiscais e agentes policiais confirmaram 100% das denúncias. A fiscalização, realizada no começo de novembro, deverá resultar ainda em Autos de Infração e Multa, com valores de R$ 500 a R$ 5 mil por animal. A expectativa é que sejam gerados mais de R$ 200 mil em multa aos infratores, além de ação judicial.

Maus-tratos

Entre as 31 espécies apreendidas constam canário da terra, azulão, cardeal, trinca-ferro, coleira e caboclinho. Aves como pintassilgo, sofrê e pássaro preto também foram recolhidos. Durante as buscas e apreensões, em algumas residências e pontos de vendas, os fiscais constataram maus-tratos, venda de animais com fins ilícitos, criadouros sem higiene, entre outros problemas.

Trezentos e dezessete animais foram liberados em área de soltura, previamente escolhidas pelos técnicos do Inema, após constatação da sanidade física. Os outros 21 pássaros, anilhados, doentes ou com longo tempo em cativeiro foram entregues ao Centro de Conservação e Manejo de Fauna da Caatinga (Cema) de Petrolina (PE), com intermediação do Ministério Público Estadual. Os interessados em regularizar os cadastros e registros devem procurar as unidades locais do órgão.