Fogo ameaça mais de 2 mil hectares de Mata Atlântica em Ilhéus

(Foto: Reprodução / Ilheus24h)

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

 

(Foto:  Reprodução / Ilheus24h)
(Foto: Reprodução / Ilheus24h)

Desde a semana passada que pelo menos três localidades na região da cidade de Ilhéus – Região Sul baiana – que integra a Área de Proteção Ambiental (APA) Lagoa Encantada, sul da Bahia, são alvos de focos de incêndio, segundo informações do Corpo de Bombeiros e do Bahia Sem Fogo A área fica numa distância de cerca de 14 km de Ilhéus e a cerca de 5 km uma das outras. O primeiro foco registrado foi na Ponta da Tulha na terça-feira (1°), mas nesta quinta foram detectados mais dois pontos com fogo, Joia do Atlântico e Barramares, outros dois povoados. Há indicativo de fogo também na localidade chamada Sambaiatuba, segundo tenente-coronel Joelson Rezende Gondim, o que será verificado.

Sobre a Ponta da Tulha, o subtenente dos bombeiros de Ilhéus, Ivan Carrasco, informou que o fogo é rasteiro e põe em risco as árvores da região de Mata Atlântica. “A gente chama de fogo de turfa, que é na raiz da vegetação. É um tipo de palha de coco seca, fogo que pega por baixo, destrói as raízes das árvores. E ainda é uma região de rochedo, num paredão inclinado em 85 graus. Subindo nessa vegetação, a gente corre o risco de escorregar – hoje a nossa bombeira se feriu”, informou. Cerca de 10 bombeiros participam da operação para conter as chamas.

Em Joia do Atlântico e em Barramares, a situação é considerada mais grave e um avião foi enviado para monitorar a propagação do fogo na quinta-feira (3). “Foi feito monitoramento por via aérea e terrestre. Vamos sentar para avaliar o que foi constatado e verificar a melhor estratégia para o combate. Com certeza, virão reforços de outros locais. Estamos aqui quatro meses sem chuvas”, afirmou o tenente-coronel Joelson Rezende Gondim, comandante das operações e um dos coordenadores do projeto Bahia Sem Fogo.

Dois mil hectares de floresta e área considerável de restinga previstos para compor o Parque Estadual da Ponta da Tulha estão ameaçados. Até o momento o governo só disponibilizou 25 bombeiros que com muito esforço tentam impedir o alastramento do fogo por toda a área. Apesar da importante contribuição dada pelos bombeiros, são necessárias mais pessoas, pois há focos de incêndio espalhados da Lagoa Encantada a Ponta da Tulha. O combate também é feito por voluntários que, com recursos próprios, decidiram enfrentar as chamas. Há pessoas abnegadas que estão ajudando, mas precisam de equipamentos e alimentação.

Os voluntários pedem que o governo do estado aumente o efetivo, acione a brigada anti-incêndio do Ibama que atua na reserva ecológica de Una e acelere os processos de reintegração de posse. Há indícios de que invasores sejam responsáveis pelo fogo. Há suspeitas de que ainda estejam incendiando a mata. O objetivo é destruir para ocupar.