Governo está atento ao aumento do número de casos de HIV em Feira

Projeto da Organização Mundial da Saúde tenta levar autotestes a população carente (Foto: Reprodução/Deutsche Welle)
Projeto da Organização Mundial da Saúde tenta levar autotestes a população carente (Foto: Reprodução/Deutsche Welle)

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Em Feira de Santana 294 pessoas foram diagnosticadas com o vírus HIV, de janeiro a novembro deste ano. Em 2020, foram 280 casos. A informação é do Centro Municipal de Referência em IST/HIV/AIDS, que atualmente trata 3.411 pessoas contra a doença.

No local, o usuário tem acesso a uma equipe multidisciplinar formada por profissionais do Serviço de Assistência Especializada, composta por médicos infectologistas, obstetras, ginecologista e pediatra, além de uma equipe de enfermeiros, psicólogos, odontólogo, assistente social e nutricionista.

“Temos duas psicólogas atuando diariamente atendendo os pacientes, uma do serviço de HIV e outra de Hepatites Virais, o que não impede que sejam realizadas ações conjuntas. Quando ele é admitido, já fazemos o encaminhamento, por compreender que é um momento difícil e é preciso esse acolhimento”, explica a enfermeira especialista em Saúde Pública e coordenadora do centro de referência IST / HIV/ AIDS de Feira de Santana, Vanessa Silva Marinho.

Os exames de carga viral são realizados sempre na segunda-feira à tarde, terças e quartas pela manhã. O CD4 (exame que indica o nível de imunidade do paciente) é realizado às terças e quartas pela manhã. Todas as amostras são encaminhadas para análise em Salvador. Segundo a coordenadora do órgão, esses exames, dependendo do quadro do paciente, são realizados de seis em seis meses em cada indivíduo.

Além dos serviços realizados durante todo o ano, em dezembro, mês que marca a campanha Dezembro Vermelho, que visa a conscientização sobre o diagnóstico e controle da doença.

Neste período a realização do teste rápido, capaz de detectar, ou não, a presença do vírus HIV, além de testes rápidos de sífilis e hepatite, distribuição de preservativos, ações educativas e de prevenção são intensificadas no Centro de Referência e em todas as Unidades Básicas de Saúde e de Saúde da Família para sensibilizar a população sobre as medidas de cuidado, assistência e proteção dos direitos das pessoas infectadas com o HIV.

O Centro Municipal de Referência em IST/HIV/AIDS funciona no Centro de Saúde Especializado Dr. Leone Coelho Leda, na rua Professor Geminiano Costa, Centro. (Secom/PMFS)