Feira vai receber 50 leitos de maternidade, afirma secretário da Saúde

Secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas. Foto: portalsaudenoar.com.br.
Secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas. Foto: portalsaudenoar.com.br.

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas. Foto: portalsaudenoar.com.br.
Secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas. Foto: portalsaudenoar.com.br.

Em entrevista ao Jornal Transamérica, apresentado pelo radialista Carlos Geilson, neste sábado (28), em Feira de Santana, o secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas, anunciou novos investimentos do governo estadual no setor. Conforme o titular da pasta estadual, novos leitos de maternidade vão ser disponibilizados no município feirense.

“Dentro do Hospital Estadual da Criança (HEC), teremos 50 leitos de maternidade só para as pacientes de alto risco, a exemplo das hipertensas e grávidas de gêmeos. São mulheres com partos programados, identificadas como de alto risco durante o pré-natal. Também serão atendidas pacientes encaminhadas por outros hospitais ou pela rede”, afirma o secretário, salientado que o município tem obrigação de realizar partos menos complexos.

O novo serviço vai ser incluído no edital de licitação para a escolha da nova Organização Social (OS) que vai administrar o HEC. O edital deve ser concluído na próxima semana. As maternidades de referência continuarão sendo o Hospital Inácia Pinto dos Santos (Hospital da Mulher) e a do Hospital Geral Clériston Andrade (HGCA). Fábio Vilas-Boas também lembrou que as obras da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do HGCA foram retomadas nesta semana com previsão de entrega para o primeiro trimestre de 2016.

Sobre a possibilidade de transferência do HGCA para a prefeitura de Feira de Santana, o secretário afirmou que em situações como essa o governo estadual passa apenas o prédio e os equipamentos, sendo que os servidores serão transferidos para outras estruturas do governo estadual ou para a nova unidade hospitalar que vai ser construída nas imediações do HGCA. Apenas a estrutura física do novo hospital está orçada em cerca de R$ 130 milhões. Vão ser disponibilizados 350 leitos.

“Estamos no processo de buscar financiamento para que possamos iniciar esta obra ainda em 2016. A minha ideia é que construamos o hospital em um investimento contínuo, mas que ele possa ser inaugurado em duas etapas. Ou seja, programo o hospital para ser inaugurado com 180 leitos e continuo construindo os outros 170. A primeira etapa deve ficar pronta em dois anos”, declara Fábio Vilas-Boas.

Outra demanda de Feira de Santana apresentada por Carlos Geilson ao secretário foi a necessidade de se aumentar o número de sessões de oxigenação hiperbárica, técnica utilizada para tratar pacientes com feridas crônicas, a exemplo das que podem ser desenvolvidas pelos diabéticos. Conforme Fábio Vilas-Boas, o atual número de sessões disponibilizadas na cidade vai passar de 300 para 1.600 a partir de janeiro de 2016.

Questionado sobre os problemas da regulação de pacientes, o secretário afirmou que o governo está investindo no setor para saná-los. “Estamos investindo quase R$ 200 milhões em dois anos para informatizar os principais hospitais nessa primeira etapa, para depois colocar essa mesma rede nos hospitais de pequeno porte no interior. Ano que vem já iremos sentir os benefícios desse investimento”, frisa.

Fábio Vilas-Boas ainda apontou a precariedade na Atenção Básica dos municípios como gerador de transtornos para a regulação. “Problemas sensíveis à Atenção Básica, como a hipertensão, que se tivessem sido tratados adequadamente não evoluíram para um caso de internação. Tem paciente que não deveria ser internado. O governo vai investir na construção das policlínicas. Precisamos de um a série de investimentos a logo prazo para que os pacientes precisem menos dos hospitais”, conclui.