Greve faz segurado esperar até 2016 para se aposentar

2

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Os dois meses de greve nacional dos servidores do INSS geraram atrasos de mais de cinco meses no agendamento de novas solicitações de aposentadoria. Quem marca atendimento pelo telefone 135 só consegue agendar uma visita a uma agência para 2016. Conforme o membro do comando estadual da greve do órgão, Ricardo Sampaio, pela falta de servidores, o agendamento de um pedido de aposentadoria pode demorar até dois meses, mesmo sem greve.

“As aposentadorias (o agendamento) não são considerados serviços essenciais, então, elas só irão ocorrer depois que a greve acabar. As pessoas podem ligar para o 135 e já agendarem para ser atendidas após a greve. Mesmo que a greve acabasse hoje (segunda-feira), não teriam vagas para este ano. E por duas razões: falta de servidor para atender e por causa da greve. Já são quase dois meses e isso gera um fluxo do atendimento”, declara Sampaio.

Das 133 agências na Bahia, estima-se que 55 estão paralisadas. Apenas os serviços de prorrogação de perícia médica estão ocorrendo, pois os peritos médicos não estão em greve. Já quem precisa de uma perícia inicial para dar entrada em uma solicitação de um auxílio doença não está encontrando atendimento.

Por decisão do Superior Tribunal de Justiça, 60% dos servidores de atividades meio do INSS continuam trabalhando durante a greve. No entanto, esta obrigação não se aplica aos servidores que trabalham com atendimento ao público. De acordo com o comando de greve da Bahia, 90% dos servidores aderiram ao movimento.

Reivindicações

Os grevistas querem abertura de concurso público para a contratação de novos servidores, reposição salarial da inflação com aumento de 27%, incorporação das gratificações ao salário base e novo plano de carreira. “A situação do INSS está tão alarmante que falta papel higiênico, caneta e papel nas agências. O pessoal da limpeza, que é terceirizado, está há três meses sem receber salários por falta de repasses. E também cortaram a segurança noturna nas agências”, afirma o membro do comando estadual da greve, Ricardo Sampaio.

Nesta terça-feira (1º), a partir das 14 horas, uma assembleia na gerência do INSS, no Comércio, em Salvador, vai decidir se os servidores baianos continuam com o movimento. Conforme sindicalistas, é possível que greve continue. Em comunicado, o Ministério da Previdência Social afirma que entende que os serviços do INSS são essenciais e reconhece que a greve causa prejuízos à população. O órgão também informa que ajuizou ação para garantir o atendimento em todas as unidades. O INSS também informou que quem não for atendido por causa da greve terá a data de agendamento reconhecida para efeitos financeiros dos benefícios.

Com informações do site do jornal A Tarde.

Foto de capa extraída do Blog da Resenha Geral.