Homem passa mais de 120 mil trotes em 7 meses

3

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Ele foi preso, negou o crime e foi liberado. (Foto: G1/Reprodução/TV Bahia)
Chegava a passar, em média, 600 trotes por dia. (Foto: G1/Reprodução/TV Bahia)

Um homem de 52 anos é suspeito de passar, de janeiro a julho de 2015, mais de 120 mil trotes para a central de atendimento da Polícia Militar (PM) em Feira de Santana. Morador do bairro de Gabriela, ele foi descoberto com a ajuda de um identificador de chamadas e chegava a passar, em média, 600 trotes por dia. O suspeito foi preso na última sexta-feira (10), mas negou o crime e foi liberado após passar seis horas na prisão.

Conforme a PM, o homem fez quase 50% das ligações consideradas enganosas recebidas este ano pelo Centro Integrado de Comunicação (Cicom), central única que realiza atendimentos por meio dos números 190 (da PM), 193 (do Corpo de Bombeiros) e 197 (da Polícia Civil). O Cicom atende, por dia, uma média de 4,5 mil ligações originadas de Feira de Santana e municípios vizinhos. Desse total, cerca de 2 mil são trotes.

Segundo o G1, o capitão Rosuilson Cardoso, que está à frente da Cicom, afirma que além das ligações enganosas, o suspeito também xingava os atendentes e falava palavrões ao telefone. Além de indiciado por falsa comunicação, ele responderá em liberdade por injúria.

Na residência dele, foram encontrados dois dos sete aparelhos celulares que eram usados para fazer as ligações à central de atendimento, registradas pela manhã, à tarde, à noite e até durante a madrugada. O homem já vinha passando os trotes há cerca de três anos. Em algumas ocasiões, conforme a polícia, o suspeito usava cinco linhas de telefones móveis ao mesmo tempo em ligações simultâneas.

Trotes

Trote é crime, com pena de detenção de até um ano e seis meses e multa, e acaba reduzindo os canais de comunicação disponíveis à população para casos de emergência. Os trotes, quando não identificados pelos atendentes, também fazem com que equipes sejam deslocadas para locais onde não há ocorrência, o que gera prejuízos. “A média de deslocamentos de equipes por dia, para atender a chamados, é de 150. Mas, desse total, 20% dos deslocamentos são para locais onde nada de fato está acontecendo depois de uma ligação falsa”, destaca o capitão Rosuilson Cardoso.

Com imagem de capa e informações do G1.