Josafá Ramos é demitido da Polícia Militar

Josafá Ramos é acusado de ter roubado uma viatura na greve de 2012, mas testemunhas que comprovam a não veracidade das acusações. Foto: Reprodução/De Olho na Cidade
Josafá Ramos é acusado de ter roubado uma viatura na greve de 2012, mas testemunhas que comprovam a não veracidade das acusações. Foto: Reprodução/De Olho na Cidade

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Josafá Ramos é acusado de ter roubado uma viatura na greve de 2012, mas testemunhas que comprovam a não veracidade das acusações. Foto: Reprodução/De Olho na Cidade
Josafá Ramos é acusado de ter roubado uma viatura na greve de 2012, mas testemunhas comprovam a não veracidade das acusações. Foto: Reprodução/De Olho na Cidade

O policial militar Josafá Ramos foi demitido nesta sexta-feira (28) em consequência da greve da categoria deflagrada em 2012. O policial, que é coordenador da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares (Aspra – BA), regional Feira de Santana, é acusado de ter tomado uma viatura em Salvador no movimento paredista de 2012.

Amparado por testemunhas que comprovam a não veracidade das acusações, o policial fez uma postagem em seu perfil pessoal no Facebook demonstrando a sua indignação. “Jamais cometi qualquer dos atos que eles nos imputaram. Por todo aquele dia permaneci na frente do 1° BPM/Feira de Santana, rodeado de Policiais, radialistas e de outras pessoas que testificaram durante as “apurações”… Provamos isso dentro da Corregedoria Geral da PMBA. Uma estúpida mentira sendo empurrada contra a verdade…”, diz o PM na postagem.

“Mais uma vez o Governo dá sinais de posturas ditatoriais e alguns integrantes da PM usando do militarismo, cassam os Praças a mando dos governantes. É por isso que lutamos pelo fim do Militarismo, pois esse regime permite que a injustiça prevaleça dentro da instituição Militar”, disse a Aspra em seu perfil na rede social.

Ao Olá Bahia, Josafá Ramos disse que vai entrar com um recurso administrativo pedindo a reconsideração de sua demissão e, em seguida, um mandado de segurança pedindo a sua reintegração ao quadro da Polícia Militar da Bahia.