Oposição alerta sobre o caos da saúde na Bahia

HOSPITAIS - SUS (7)

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Deputado Sandro Régis (DEM), líder da Oposição, critica a saúde na Bahia ( Foto: Divulgação)
Deputado Sandro Régis (DEM), líder da Oposição, critica a saúde na Bahia ( Foto: Divulgação)

Fazendo coro aos profissionais da área de saúde que através do seu sindicato, o SindSaúde, manifestou nesta segunda-feira, 15, posição contrária ao corte de 25% anunciado pelo Governo do Estado nas despesas de custeios de 52 unidades geridas pela Sesab, o deputado Sandro Régis (DEM), líder da Oposição, fez duro pronunciamento durante a sessão plenária da Assembleia Legislativa.

” Num momento dramático como esse, em que a população clama por melhorias nos péssimos serviços prestados pela saúde pública, o governo dá mostra de total insensibilidade e anuncia um corte de 25% no setor”, criticou o democrata, lembrando recentemente dois fatos marcantes preocuparam ainda mais a sociedade baiana: a suspensão de cirurgias eletivas no Hospital Roberto Santos pela elementar falta de soro fisiológico e a a dispensa,sem meio termos, de 29 cardiologistas do Hospital Ana Nery que atendiam principalmente a população carente do interior.

“Esses profissionais foram comunicados da dispensa por email, após seis meses sem receber salário”, indignou-se o deputado, frisando que a propaganda enganosa do governo fala em hospitais, gestão eficiente e investimentos enquanto a realidade mostra o caos do sistema de saúde na Bahia, com a população tendo que enfrentar madrugadas nas filas dos hospitais e emergências, para receber um atendimento precário e de péssima qualidade. “Diante de um quadro caótico como esse, com ausência de leitos, equipes incompletas, estruturas precárias e falta de medicamentos o governo anuncia corte de mais de R$ 600 milhões na saúde?”, questionou, frisando que com essa medida os baianos levaram “além da queda, o coice”.

“São oito anos de má gestão e nenhum cuidado nem intenção de priorizar a população e a saúde da Bahia”, concluiu o parlamentar.