Livro de cordel sobre o Bahia será lançado na Arena Fonte Nova

bahia-cordel-literatura_bbmp

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

A fase do Esquadrão de Aço não é boa: décimo sétimo colocado no Brasileirão a cinco rodadas do fim, o clube corre grande risco de rebaixamento. No entanto, no próximo sábado (27), às 14h, os torcedores terão um evento para lembrar dos momentos de glória da equipe, com o lançamento de um livro de cordel sobre o Bahia, na Loja Esquadrão, na Arena Fonte Nova.

“Para a publicação desse livro, eu contei com o apoio do clube, que cedeu o direito de uso da marca, disponibilizou imagens raras que fazem parte do livro e também cedeu o espaço da loja para o lançamento, além de estar apoiando na divulgação do livro. Isso me deixou muito feliz”, conta o autor da obra, o professor de literatura do Instituto Federal Baiano, Elton Magalhães.

Com nove cantos e imagens históricas do time dividias em 98 páginas, “Épico Esquadrão – A História do Esporte Clube Bahia em Cordel” (Editora Vento Leste, 2021) é o terceiro livro de cordel de Elton, que irá assinar os livros comprados no lançamento, que estarão no valor de R$ 30. “Infelizmente, o contexto pandêmico atrapalhou bastante nesse processo de lançamento. Ainda precisamos nos manter atentos e protegidos e para a entrada no lançamento será exigido o uso de máscara. Além disso, o Bahia tem mostrado um baixo desempenho na reta final do Campeonato Brasileiro e isso desanima uma boa parte dos torcedores. Mas é um sonho que está prestes a ser realizado”, conta o cordelista.

O cordel é um estilo literário em que boa parte das obras são distribuídas em folhetos, não em livros publicados por editoras. A escrita de cordel, a princípio para Elton, que escreve há dez anos, estava ligada diretamente ao exercício de docência, com função didática aplicável à sala de aula. “Essa história do Bahia em cordel surgiu em 2013 e foi algo bem imprevisível. Esse foi o meu primeiro texto não pedagógico e me senti muito orgulhoso de tê-lo escrito. Não demorou muito e eu criei coragem para publicá-lo integralmente nas redes sociais, descumprindo, pelo menos até aquele momento, um dos principais mandamentos da tradição do cordel”.

A repercussão do cordel sobre o Bahia, naquela ocasião, ganhou destaque e o professor recebeu convites para falar sobre o assunto. “Acredito que tudo isso foi bastante simbólico para deixar claro que é possível fazer um texto literário ‘viralizar’. Sejamos francos, nem todo tema consegue ter apelo popular, mas eu nunca duvidei de que o Bahia era uma exceção”. Em 2021, o autor decidiu transformar em livro o texto que viralizou na internet e que foi distribuído em folhetos, por conta do aniversário de 90 anos do clube, com o acréscimo de novas histórias.

Com abordagem de política em muitos dos folhetos publicados, Elton Magalhães enxerga que o Bahia deu passos importantes nos últimos anos em realizar algumas campanhas com pautas sociais, como o combate ao racismo e preconceito regional. “Futebol e política sempre andaram lado a lado e sim, devem ser discutidos”. Perguntado sobre o momento que vive os professores no Brasil, com recentes episódios de professoras em Salvador recriminadas por trazer discussões sociais para a sala de aula, o autor de “Épico Esquadrão” enxerga a literatura de cordel como uma arma poderosa contra o fascismo. “Nós, educadores, somos guerreiros por vocação e tudo isso nos faz querer seguir em frente, pois acreditamos verdadeiramente no papel transformador da educação e não vamos nos render diante de toda essa atrocidade. O trabalho é árduo, mas seguiremos em frente de punhos cerrados”.