Mulher é presa por suspeita de agredir criança com prancha de cabelo

O pai do menino já morreu e sobre a mãe, ninguém sabe o paradeiro há muito tempo (Foto: Reprodução / Giro em Ipiaú)
O pai do menino já morreu e sobre a mãe, ninguém sabe o paradeiro há muito tempo (Foto: Reprodução / Giro em Ipiaú)

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
O pai do menino já morreu e sobre a mãe, ninguém sabe o paradeiro há muito tempo (Foto: Reprodução / Giro em Ipiaú)
O pai do menino já morreu e sobre a mãe, ninguém sabe o paradeiro há muito tempo (Foto: Reprodução / Giro em Ipiaú)

Na cidade de Ipiaú – Região Sul Baiana – uma mulher foi presa e os dois filhos dela adolescentes apreendidos após denúncia de uma série de agressões cometidas contra uma criança de três anos usando uma prancha quente de alisar cabelo. Os maus-tratos eram filmados por um celular. O garoto apresenta várias marcas de queimaduras pelo corpo e foi tirado da residência onde era agredido após o caso ter chegado ao conhecimento do Juizado de Menores e da polícia.

Segundo a Polícia Militar (PM), a agressora presa é mulher de um tio do garoto, que estava tomando conta dele por um tempo. O homem afirmou à polícia que não sabia nada sobre as agressões que o sobrinho teria sofrido por parte da mulher e dos filhos quando ele estava no trabalho. Ainda de acordo com a polícia, a prima adolescente é quem mais aparece em um vídeo apreendido pela polícia cometendo as agressões contra o menino, que também foi machucado com um cinto.

Segundo informações do Juizado de Menores de Ipiaú, a denúncia chegou até eles ontem (19), quando a polícia foi acionada e realizou a prisão na residência da família, que fica no bairro Aparecida. A suspeita presa em flagrante permaneceu calada durante depoimento à polícia. As agressões contra o menino já teriam ocorrido há cerca de 15 dias.

De acordo com a polícia, o pai do menino já morreu e sobre a mãe, ninguém sabe o paradeiro há muito tempo. Ele era criado por uma outra tia, que deixou o sobrinho por alguns dias com o irmão e a cunhada porque estava grávida e iria dar à luz. Quando retornou para buscar o garoto, percebeu que ele tinha várias marcas de queimadura pelo corpo. A PM diz que o tio do menino colaborou com as diligências em busca dos agressores e não foi preso.