Nutricionista Mayara Costa aborda os benefícios e riscos do jejum intermitente

_102193595_autofagiaayuno

No universo das dietas e métodos de emagrecimento, o jejum intermitente tem ganhado destaque como uma abordagem promissora. A nutricionista Mayara Costa trouxe orientações para quem busca perder peso ou melhorar sua saúde e afirmou que o jejum intermitente pode ser uma ferramenta útil para perda de peso e melhoria da saúde, desde que realizado de forma consciente e acompanhado por um profissional.

Segundo a nutricionista, o jejum intermitente envolve alternar períodos de alimentação com períodos de jejum. “Os tipos mais comuns estão relacionados à duração do jejum, podendo variar de 12, 14, 16, 18 até 24 horas. A escolha do tipo de jejum depende dos objetivos individuais, da composição corporal e da capacidade de adesão de cada pessoa”, explica.

Ainda segundo a nutricionista, durante o jejum intermitente, ocorre uma redução na produção de insulina, o hormônio responsável por quebrar a glicose dos alimentos para gerar energia. “Isso permite que o corpo utilize a gordura corporal como fonte de energia, o que pode favorecer a perda de peso e a redução da composição corporal”, destaca.

Em relação às pessoas com mais peso conseguirem realizar um jejum intermitente mais longo, Mayara Costa afirmou que o jejum intermitente não deve ser determinado apenas pelo peso, mas sim pela disposição do indivíduo em alcançar seus objetivos e pela capacidade de manter a adesão à prática.

Em relação à melhor opção de alimentos após o jejum, a nutricionista recomenda uma alimentação rica em fibras, que contribui para manter baixos os níveis de insulina e promover a utilização da gordura corporal como fonte de energia. “Legumes, folhas verdes, vegetais e proteínas magras como frango e peixe são boas opções”, orienta.

Quanto à quantidade de alimentos, ela afirmou que é essencial evitar exageros, mesmo após um período de jejum prolongado. “O acompanhamento de um nutricionista é fundamental para calcular a quantidade adequada de alimentos, levando em conta fatores como peso, altura e atividade física do paciente”, destacou.

“O jejum intermitente pode causar sintomas como tontura, náuseas e dores de cabeça intensas, além de potencialmente levar à hipoglicemia, especialmente se realizado sem orientação profissional. Grupos como lactantes, gestantes, idosos e pacientes com diabetes devem ser avaliados individualmente antes de adotar essa prática”, finalizou a nutricionista.

Com informações: Deise Campos

Por: Mayara Silva

 

Outras Notícias