Obama cobra mais transparência da Fifa

Presidente dos EUA, Barack Obama, em entrevista coletiva no encerramento da cúpula do G7 na Alemanha (Foto: Kevin Lamarque/Reuters)
Presidente dos EUA, Barack Obama, em entrevista coletiva no encerramento da cúpula do G7 na Alemanha (Foto: Kevin Lamarque/Reuters)

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email
Presidente dos EUA, Barack Obama, em entrevista coletiva no encerramento da cúpula do G7 na Alemanha (Foto: Kevin Lamarque/Reuters)
Presidente dos EUA, Barack Obama, em entrevista coletiva no encerramento da cúpula do G7 na Alemanha (Foto: Kevin Lamarque/Reuters)

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, aumentou a lista de autoridades mundiais que recomendam à Federação Internacional de Futebol (Fifa) mais transparência e responsabilidade na condução do esporte. Na Alemanha nesta segunda-feira (8), onde participa da reunião de líderes do G7 (grupo dos sete países mais industrializados do mundo), Obama defendeu a importância da vigilância do Poder Público sobre o futebol.

“Devemos avaliar que, além de um jogo, o futebol é um enorme negócio, uma fonte de orgulho nacional. As pessoas querem ter certeza de que ele é disputado com integridade.”

Obama reforçou a importância da investigação da Justiça de Nova York, com o apoio do FBI (Polícia Federal dos EUA) e do governo da Suíça, que acusam dirigentes esportivos e empresários da cobrança de propinas nos contratos de marketing, direito de transmissão de jogos organizados pela Fifa e, supostamente, a escolha de países-sede da Copa do Mundo.

Segundo Obama, com a melhora do desempenho da seleção norte-americana, o futebol vem ganhando cada vez mais popularidade nos Estados Unidos. “Por isso, queremos que o esporte seja administrado da forma correta”, declarou Obama.

O presidente norte-amerciano não mostrou qualquer preocupação com as críticas do presidente da Rússia, Vladimir Putin, que, há duas semanas, acusou os Estados Unidos de tentarem “impor sua jurisdição a outros países”, afastar do cargo o atual presidente da Fifa, o suíço Joseph Blatter, e interferir no funcionamento de organizações internacionais.

*As informações são da Agência Brasil