Papa inicia visita a países latino-americanos

O papa refletiu sobre assuntos como a proteção do meio ambiente, a igualdade com as mulheres, a exploração laboral e o diálogo inter-religioso para fomentar a paz. (Foto: Reprodução/ Pragmatismo Político)
O papa refletiu sobre assuntos como a proteção do meio ambiente, a igualdade com as mulheres, a exploração laboral e o diálogo inter-religioso para fomentar a paz. (Foto: Reprodução/ Pragmatismo Político)

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

O papa inicia neste domingo (5) viagem de nove dias a três países da América Latina – o Equador, a Bolívia e o Paraguai, marcados pela desigualdade, a pobreza e a pesada herança de regimes autoritários.

De hoje ao próximo dia 13, o primeiro papa jesuíta latino-americano cumpre a viagem mais longa desde que foi eleito, em março de 2013. Ele fará, no período, 22 discursos e subirá sete vezes a bordo de um avião para percorrer 24 mil quilômetros.

A participação da Igreja Católica no debate democrático, o respeito pela identidade cultural de cada país, a proteção do ambiente e das famílias que sofrem são temas que o papa vai abordar, informou o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin. Quito e Guayaquil, no Equador, La Paz e Santa Cruz, na Bolívia, Assunção e Caacupé, no Paraguai, são as cidades a serem visitadas. Apesar dos seus 78 anos, o papa não teve a menor dúvida ao escolher um programa intenso, explicou o porta-voz, Federico Lombardi.

Jorge Bergoglio, que aos 20 anos foi submetido a uma cirurgia para retirar parte de um pulmão, vai mastigar folhas de coca para contrariar o “mal das montanhas”, quando estiver em La Paz, a 3.700 metros de altitude.

O papa vai celebrar cinco missas ao ar livre, esperando-se em cada uma entre 1 e 2 milhões de pessoas. Orações e cânticos serão entoados em línguas indígenas como guarani, quechua e amaira. Na missa final, em Nu Guazu, em Assunção, as autoridades esperam a presença de 1 milhão de fiéis da Argentina, do Uruguai e do Brasil. O papa Francisco esteve no Brasil em julho de 2013 para a Jornada Mundial da Juventude, em uma viagem que tinha sido planejada durante o pontificado de Bento XVI.

A visita que começa hoje vai ser também um ato de reconciliação com a história colonial espanhola na região, em que o papa vai abordar a influência jesuíta e a criação, entre os séculos 16 e 18, de missões católicas, onde eram agrupadas populações indígenas, em uma tentativa de protege-las e civilizá-las.

Jorge Bergoglio vai se encontrar com os presidentes Rafael Correa (Equador), Evo Morales (Bolívia), Horacio Cartes (Paraguai) e outros líderes. A etapa da Bolívia incluirá dois momentos especiais: a visita à prisão Palmasola, perto de Santa Cruz, e em La Paz, um momento de recolhimento no local onde o padre jesuíta espanhol Luis Espinal foi assassinado por paramilitares em 1980.

*As informações são da Agência Brasil