Pela redução da violência

Comitê Executivo do Programa Pacto Pela Vida em reunião com líderes religiosos.
Foto: Carol Garcia/GOVBA
Comitê Executivo do Programa Pacto Pela Vida em reunião com líderes religiosos. Foto: Carol Garcia/GOVBA

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Representantes das religiões de matriz africana, espírita e judaica, além das igrejas Batista, Católica e Presbiteriana, entre outras, participaram da reunião do Comitê Executivo do Programa Pacto pela Vida nesta quarta-feira (8). O objetivo do encontro, que teve a presença do governador Rui Costa, é que os líderes religiosos possam contribuir na superação da cultura de violência na qual vive a Bahia hoje.

Para o governador, “é importante a iniciativa de convidar as religiões para que possamos, juntos, nos envolver e discutir um problema que não é do governo, ou dos secretários, ou do Ministério Público, ou da justiça, mas é um problema da sociedade”. Ele destacou ainda que “todos os líderes da sociedade podem e devem se envolver e ajudar a superar este quadro difícil da cultura da violência em nosso estado e nosso País. Queremos replicar isso com outras lideranças da sociedade”.

Rui Costa também falou da importância da educação, um dos principais focos da sua gestão. “Não tenho a intenção de transformar a escola em um instrumento para cooptar as pessoas para as religiões. O importante é discutir a história do catolicismo, das religiões protestantes, os valores e princípios dos espíritas. O que pretendemos proporcionar é conhecimento e reflexão para essa juventude, que deve discutir filosofia e referências de vida”.

Comitê Executivo do Programa Pacto Pela Vida em reunião com líderes religiosos. Foto: Carol Garcia/GOVBA
Comitê Executivo do Programa Pacto Pela Vida em reunião com líderes religiosos.
Foto: Carol Garcia/GOVBA

De acordo com o governador, as iniciativas não se limitam à educação. “Além da ação dentro da escola, eu pedi a ajuda dos segmentos religiosos na ressocialização daqueles que estão privados de liberdade e do envolvimento no trabalho comunitário, que podem ter o apoio do Estado. Para isso, nós abrimos aqui três frentes de trabalho, na área de educação, que será coordenado pelo secretário Osvaldo Barreto, na ressocialização de presos, pelo secretário Nestor Duarte, e nas comunidades, pelo Cezar Lisboa [coordenador do Pacto Pela Vida]. Todas as inciativas devem ser iniciadas já neste semestre”.

O encontro, realizado na sede do Ministério Público, integra órgãos de segurança pública, secretarias estaduais, além de instituições como a Defensoria Pública do Estado e o Tribunal de Justiça.