Prefeitura de Salvador integra Câmara de Conciliação à Saúde

Foto: Site Brasil 247
Foto: Site Brasil 247

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

A Prefeitura de Salvador é uma das entidades participantes da assinatura do convênio de cooperação que cria a Câmara de Conciliação da Saúde, em cerimônia realizada na manhã desta terça-feira (29), na Governadoria, no Centro Administrativo da Bahia.

Representando o prefeito ACM Neto, o secretário de Saúde, José Antônio Rodrigues Alves, esteve presente no evento, que contou também com as presenças do governador Rui Costa e de representantes da Procuradoria Geral do Estado, Tribunal de Justiça da Bahia, Ministério Público do Estado, Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, Defensoria Pública do Estado, Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Defensoria Pública da União e Procuradoria Geral do Município.

A Câmara de Conciliação da Saúde visa promover o atendimento de cidadãos que possuam dificuldade na solicitação de procedimentos médicos no Sistema Único de Saúde (SUS), evitando assim a judicialização da demanda. A unidade, que contará com a participação conjunta das instâncias municipal, estadual e federal nas áreas da saúde e justiça, vai atuar na busca de solução administrativa para a oferta de medicamentos, intervenções cirúrgicas e agendamento de exames, dentre outras demandas da área.

A entidade vai funcionar em um local a ser indicado pelo Governo do Estado e que contará com profissionais como farmacêuticos, assistentes sociais, médicos e enfermeiros, além de representantes das esferas judiciais.

“A Câmara vai ser um instrumento de orientação dos cidadãos que, por falta de informação correta sobre acesso à assistência médica, acaba entrando com recurso judicial até mesmo em esferas diferentes, o que acaba atropelando a resolução das demandas. Além de uma melhor prestação de serviço à população, no caso do Município, a iniciativa vai ajudar no planejamento do orçamento e na organização da Saúde em Salvador, evitando gastos extras em consequência das judicializações”, ressaltou Rodrigues Alves.