Previdência libera consulta a segunda parcela do 13º salário

COMPARTILHE:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google
Compartilhar no email

Os contracheques com os valores da segunda parcela do décimo terceiro de mais de 28 milhões de aposentados e pensionistas do INSS já estão disponíveis através do site www.previdencia.gov.br. O crédito da segunda parte da gratificação natalina começa a ser feito no dia 24 deste mês para quem ganha um salário mínimo (R$ 778), juntamente com a folha de novembro. Os segurados que recebem acima do piso terão os valores liberados a partir de 1º de dezembro. O pagamento termina no dia 7 de dezembro. A segunda parcela vai ser paga com descontos do Imposto de Renda (IR), no caso de valores que estejam nas faixas de cobrança. Para conferir o valor não é preciso se cadastrar na página, basta digitar o número do benefício.

Ao entrar no site, o segurado deve clicar no ícone ‘Extrato de pagamento de benefício’, à esquerda, no canto superior da página. Vai ser aberta uma nova página, onde o aposentado clicará em ‘Emitir extrato’. Em seguida, é necessário preencher os campos com número do benefício, data de nascimento, nome do beneficiário e CPF. Por último, deve digitar o código de segurança gerado na página para finalmente imprimir contracheque.

Os segurados que recebem benefícios assistenciais (Loas) não têm direito ao 13º salário, o que corresponde a cerca de 4,380 milhões de benefícios. Já quem está de licença e recebe auxílio-doença ganhará o abono natalino, assim como quem tem salário-maternidade e auxílio-reclusão terá parcela proporcional do abono, com base no número de meses que o benefício vem sendo pago este ano. Se o segurado recebe o benefício desde janeiro deste ano ou antes, o 13º será a metade do valor.

Incertezas na 1ª parcela

Este ano, o pagamento da primeira parcela do 13º foi cercado de incertezas. A antecipação foi ameaçada devido a problemas de caixa do governo federal. O Ministério da Fazenda chegou a cogitar suspender a antecipação que desde 2006 é feita em agosto.

O crédito no meio do ano é resultado de um acordo do ex-presidente Lula com as centrais sindicais. Porém, com a crise econômica, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, defendeu que a parcela não fosse antecipada.

Na ocasião, a Fazenda propôs pagar a primeira parcela em duas vezes, sendo a primeira na folha de setembro e a outra na de outubro. Mas a proposta foi rejeitada pelo Ministério da Previdência. Coube à dar a palavra final sobre o pagamento em parcela única em setembro. O pagamento da primeira parcela representou uma injeção de R$ 15,972 bilhões na economia do Brasil.

Com informações do iG – O Dia.

Foto de capa extraída do site Finanças Forever.